Cabo Verde com apoio de agência das Nações Unidas para desenvolver indústria

A Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO) vai apoiar Cabo Verde na criação de empregos e dinamização do tecido empresarial, conforme acordo de colaboração assinado hoje na Praia.

Cabo Verde com apoio de agência das Nações Unidas para desenvolver indústria

Cabo Verde com apoio de agência das Nações Unidas para desenvolver indústria

A Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO) vai apoiar Cabo Verde na criação de empregos e dinamização do tecido empresarial, conforme acordo de colaboração assinado hoje na Praia.

“Vai possibilitar criar as condições para um desenvolvimento industrial que permita criar empregos e dinamizar o tecido empresarial”, afirmou o primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, que presidiu à assinatura deste acordo com aquela agência das Nações Unidas, que promove o desenvolvimento industrial sustentável e inclusivo, a implementar até 2026.

“Queremos uma indústria inteligente, sustentável, que crie condições de exportação que o país tanto precisa. E o programa vai no sentido de promovermos uma indústria de elevada produtividade, que abrange a formação, o conhecimento, a investigação, a digitalização, e identifica os fatores sobre os quais devemos atuar: capital humano, capacitação institucional, eficiência energética, entre outros fatores”, afirmou o primeiro-ministro.

Segundo Ulisses Correia e Silva, Cabo Verde já tem “potencial” em várias áreas, como a farmacêutica, extrativa ou pesqueira, necessitando agora “de escala e dimensão, o que vai ao encontro dos propósitos do programa” assinado com a UNIDO.

“A implementação será feita essencialmente pelo setor privado, através das condições que o Governo criará para que as pequenas, médias e grandes empresas possam investir fortemente numa indústria verde, com energias renováveis, estratégia de água sustentável, transportes eficientes e com perspetiva para integração no mercado regional”, sublinhou o primeiro-ministro.

Segundo o Governo, o programa nacional 2022-2026 assinado hoje entre o Ministério da Indústria, Comércio e Energia de Cabo Verde e a UNIDO “tem como objetivo principal reforçar a integração de Cabo Verde nas cadeias de valor regionais e globais através de uma economia industrial competitiva, diversificada, sustentável e inovadora, um setor privado forte e ativo e políticas e estratégias adequadas”.

A colaboração da UNIDO com o Governo cabo-verdiano visa o reforço de capacidades Institucionais e comerciais, a atualização da indústria nacional e o crescimento resiliente e neutro em carbono, promovendo uma “economia circular”.

“A integração da perspetiva de género, juventude e resposta a crises serão abordados como componentes transversais. De modo a oferecer soluções específicas e alinhadas com as prioridades do país, o Governo de Cabo Verde irá estabelecer um Comité de Pilotagem do programa, que será presidido pelo Ministério da Indústria, Comércio e Energia e que será o órgão máximo da governança do programa”, destacou o executivo.

Cabo Verde enfrenta uma profunda crise económica e financeira, decorrente da forte quebra na procura turística – setor que garante 25% do Produto Interno Bruto (PIB) do arquipélago – desde março de 2020, devido à pandemia de covid-19.

Após uma recessão histórica de 14,8% em 2020, face à ausência de turismo durante cerca de nove meses, Cabo Verde registou um crescimento económico de 7% em 2021.

O Governo prevê agora um crescimento de 4% em 2022, uma revisão em baixa face aos anteriores 6%, devido às consequências da guerra na Ucrânia, nomeadamente a escalada dos preços.

PVJ // VM

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS