Bruxelas pede mais investimentos na UE em cibersegurança perante ataques russos

A Comissão Europeia exortou hoje os Estados-membros da União Europeia a investirem mais em capacidades de defesa cibernética, utilizando verbas comunitárias, após os recentes ciberataques russos a infraestruturas essenciais, como energéticas, na sequência da invasão russa da Ucrânia.

Bruxelas pede mais investimentos na UE em cibersegurança perante ataques russos

Bruxelas pede mais investimentos na UE em cibersegurança perante ataques russos

A Comissão Europeia exortou hoje os Estados-membros da União Europeia a investirem mais em capacidades de defesa cibernética, utilizando verbas comunitárias, após os recentes ciberataques russos a infraestruturas essenciais, como energéticas, na sequência da invasão russa da Ucrânia.

“Hoje, a Comissão e o Alto Representante apresentaram uma comunicação conjunta sobre uma política de defesa cibernética da UE e um plano de ação sobre mobilidade militar para fazer face à deterioração do ambiente de segurança na sequência da agressão da Rússia contra a Ucrânia e para reforçar a capacidade da UE para proteger os seus cidadãos e infraestruturas”, anuncia a instituição numa informação enviada à comunicação social.

Em concreto, Bruxelas pede que, no âmbito da nova política de defesa cibernética, a UE consiga “reforçar a cooperação e os investimentos em defesa cibernética para melhor proteger, detetar, dissuadir, e defender contra um número crescente de ataques cibernéticos”.

O executivo comunitário exorta, assim, os Estados-membros a “investir em capacidades de defesa cibernética”, devendo assim “aumentar significativamente os investimentos em modernas capacidades de defesa cibernética militar de uma forma colaborativa, utilizando as plataformas de cooperação e mecanismos de financiamento disponíveis a nível da UE”.

“O espaço cibernético não tem fronteiras. Os recentes ciberataques a redes de energia, infraestruturas de transporte e bens espaciais mostram os riscos que representam tanto para os atores civis como militares e isto exige mais ação para proteger os cidadãos, as Forças Armadas, bem como as missões e operações civis e militares da UE, contra as ameaças cibernéticas”, argumenta a Comissão Europeia.

A Política de Defesa Cibernética da UE tem como objetivo reforçar as capacidades europeias e reforçar a coordenação e cooperação entre as comunidades cibernéticas militares e civis, melhorando a gestão eficiente de eventuais crises e reduzindo as dependências estratégicas em tecnologias cibernéticas críticas.

Caberá agora à Comissão Europeia e ao Alto Representante da UE para a Política Externa e de Segurança Comum, Josep Borrell, apresentar um relatório anual ao Conselho para acompanhar e avaliar o progresso da implementação das ações após a comunicação hoje divulgada.

Também hoje, o executivo comunitário apresentou um plano de ação sobre mobilidade militar para ajudar as Forças Armadas europeias a responder melhor, mais rapidamente e a uma escala suficiente às situações de crise nas fronteiras externas da UE e mais além, facilitando para tal a deslocação de tropas e o respetivo equipamento.

ANE // SCA

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS