Bruxelas “acompanha de perto” subida dos preços da energia

A Comissão Europeia está a “acompanhar de perto” a subida dos preços da energia e está a debater com os Estados-membros “ferramentas” para os conter, disse hoje a comissária Kadri Simson.

Bruxelas

Bruxelas “acompanha de perto” subida dos preços da energia

A Comissão Europeia está a “acompanhar de perto” a subida dos preços da energia e está a debater com os Estados-membros “ferramentas” para os conter, disse hoje a comissária Kadri Simson.

Os preços da eletricidade, que têm subido acentuadamente durante meses na sequência dos preços globais do gás, dispararam recentemente em vários países da União Europeia (UE).

“Discutiremos com os ministros como podemos enfrentar este desafio (…) a Comissão está a acompanhar de perto a situação, e a discutir os instrumentos que temos à nossa disposição” para travar o surto, disse a comissária da energia antes de uma reunião dos ministros da Energia e dos Transportes da UE, na Eslovénia, que detém a presidência rotativa da UE.

“Na situação atual, a Europa precisa de investir em energias renováveis, uma vez que estas oferecem uma alternativa real à nossa dependência de combustíveis fósseis importados”, acrescentou Kadri Simson.

“Precisamos de cooperação (…) a nível europeu para proteger o nosso povo em casa”, salientou o ministro da Energia lituano, Dainius Kreivys, enquanto a sua homóloga austríaca, Leonore Gewessler, denunciou “demasiada dependência (da UE) do gás russo”.

Em meados de setembro, um grupo de cerca de 40 eurodeputados tinha pedido à Comissão que investigasse a gigante energética russa Gazprom, acusando-a de cortar o fornecimento de gás através da Ucrânia para pressionar a Alemanha a aprovar mais rapidamente o gasoduto Nord Stream 2 através do Mar Báltico – e fomentando preços europeus mais elevados.

A Gazprom tinha negado qualquer manipulação de mercado.

Espanha é particularmente afetada pela sua dependência do gás para a produção de eletricidade, que é muito superior à dos países vizinhos europeus como a França.

Mas a França não é poupada: apesar de produzir a maior parte da sua eletricidade com as suas centrais nucleares, os preços de mercado seguem os das matérias-primas (gás e carvão), que aumentaram acentuadamente em resultado da recuperação económica pós-pandemia e do aumento das quotas de emissão de CO2.

A subida dos preços ameaça exacerbar a pobreza de combustível em toda a UE: um estudo publicado hoje pela Confederação Europeia de Sindicatos (CES) estima que quase três milhões de trabalhadores pobres da Europa “já não poderão pagar” as suas contas de aquecimento neste outono e neste inverno.

MC // MSF

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS