Bolsonaro vai participar na Cimeira das Américas e reunir-se com Biden

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, tinha dito que ainda estava a estudar o assunto e que a viagem dependeria de “muitas coisas”.

Bolsonaro vai participar na Cimeira das Américas e reunir-se com Biden

Bolsonaro vai participar na Cimeira das Américas e reunir-se com Biden

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, tinha dito que ainda estava a estudar o assunto e que a viagem dependeria de “muitas coisas”.

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, vai participar, entre 06 e 10 de junho, na Cimeira das Américas, em Los Angeles, onde deverá ter um encontro bilateral com o homólogo americano, Joe Biden. Três dos ministros do Governo de Bolsonaro confirmaram a participação na Cimeira à agência Associated Press, sob condição de anonimato por não estarem autorizados a falar publicamente sobre o assunto. Um eventual encontro bilateral em Los Angeles seria o primeiro entre Biden e Bolsonaro.

Estado norte-americano do Oklahoma aprova lei que proíbe aborto desde a fertilização
A lei proíbe a interrupção voluntária da gravidez, exceto quando a vida da mãe estiver em perigo, ou quando a gravidez for resultado de violação ou incesto (… continue a ler aqui)

O Presidente brasileiro tinha recebido na terça-feira um convite, entregue pelo antigo senador democrata Christopher Dodd, o conselheiro especial nomeado pela Casa Branca para a Cimeira. Bolsonaro tinha dito que ainda estava a estudar o assunto e que a viagem dependeria de “muitas coisas”, embora não tenha especificado nenhuma delas.

A Casa Branca indicou que Cuba, Nicarágua e Venezuela não serão convidadas para a reunião, o que causou mal-estar entre vários governos latino-americanos. O primeiro a protestar contra a potencial exclusão destes três países foi o Presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, que anunciou a sua ausência se todos os países das Américas não fossem convidados, posição a que mais tarde se juntou o Presidente boliviano, Luis Arce.

Esta posição poderia ser imitada por alguns países das Caraíbas e tentará ser reforçada numa reunião de líderes da Aliança Bolivariana dos Povos da Nossa América (ALBA) que foi convocada por Cuba para sexta-feira. O presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, garantiu na quarta-feira que “em nenhum caso” participará na Cimeira.

No caso do conservador Bolsonaro, os casos de Cuba, Nicarágua e Venezuela não pesam muito, mas a sua relação com Biden não é das melhores, ao ponto de, na campanha eleitoral de 2020 nos Estados Unidos, ter apoiado abertamente o então Presidente Donald Trump. Tal como Trump, o Presidente brasileiro também questionou o resultado dessas eleições e foi um dos últimos líderes mundiais a reconhecer a vitória de Biden.

Impala Instagram


RELACIONADOS