Bolsonaro diz que sem poupança no sistema de pensões Brasil entrará em colapso em 2022

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, disse hoje que se as grandes mudanças no sistema de pagamento de pensões por reforma não forem aprovadas pelo parlamento, o país entrará em colapso em 2022.

Bolsonaro diz que sem poupança no sistema de pensões Brasil entrará em colapso em 2022

Bolsonaro diz que sem poupança no sistema de pensões Brasil entrará em colapso em 2022

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, disse hoje que se as grandes mudanças no sistema de pagamento de pensões por reforma não forem aprovadas pelo parlamento, o país entrará em colapso em 2022.

“Se a economia gerada com pagamento de pensões ficar abaixo de 800 mil milhões de reais [181,5 mil milhões de euros] em dez anos, a situação fiscal do Brasil vai explodir em 2022”, afirmou o Presidente brasileiro, que citou a Argentina como exemplo deste cenário, segundo o portal de notícias G1.

Nos últimos anos, a Argentina tem atravessado uma crise económica severa que causou a desvalorização da moeda local, inflação alta, baixo crescimento e aumento da pobreza.

O Brasil também enfrentou uma crise económica grave nos anos de 2015 e 2016 quando o Produto Interno Bruto (PIB) do país caiu mais de 7%, mas conseguiu recuperar de maneira lenta nos últimos dois anos, registando duas altas consecutivas do PIB de 1,1%.

Aprovar mudanças no sistema de pagamento de pensões é um passo classificado por analistas do mercado e pelo próprio Governo brasileiro como fundamental para o reaquecimento da economia do país, dada a escalada do défice fiscal.

Hoje, o presidente da Câmara dos Deputados (câmara baixa parlamentar), Rodrigo Maia, anunciou que o deputado Samuel Moreira será relator do projeto sobre mudanças no sistema de pagamento de pensões numa comissão especial.

A proposta original enviada pelo Governo ao Parlamento foi aprovada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Cámara dos Deputados na última terça-feira, com 48 votos a favor e 18 contra.

Desenhado pelo Ministério da Economia, as novas regras preveem uma série de alterações, sendo a principal o estabelecimento de uma idade mínima de 65 anos para homens e 62 anos para mulheres.

Há também pontos polémicos que devem ser alterados pelos parlamentares brasileiros, que estão em desacordo com pontos relacionados com o corte da assistência dada a idosos pobres, pensões para quem vive em áreas rurais e a introdução de um sistema de capitalização para os jovens que entram no mercado laboral.

CYR // JH

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS