Bolsonaro aguarda fim de disputas jurídicas para se pronunciar sobre eleições nos EUA

O vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, disse hoje que o Presidente, Jair Bolsonaro, aguarda o fim de disputas jurídicas para se pronunciar sobre as eleições nos Estados Unidos e a vitória do candidato democrata, Joe Biden.

Bolsonaro aguarda fim de disputas jurídicas para se pronunciar sobre eleições nos EUA

Bolsonaro aguarda fim de disputas jurídicas para se pronunciar sobre eleições nos EUA

O vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, disse hoje que o Presidente, Jair Bolsonaro, aguarda o fim de disputas jurídicas para se pronunciar sobre as eleições nos Estados Unidos e a vitória do candidato democrata, Joe Biden.

“Eu julgo que o Presidente [do Brasil, Jair Bolsonaro] está aguardando terminar esse imbróglio aí de discussão se tem voto falso, se não tem voto falso, para dar o posicionamento dele (…) É óbvio que o Presidente na hora certa vai transmitir os cumprimentos do Brasil a quem for eleito”, disse Mourão para jornalistas.

“Vamos esperar. É uma pergunta prudente. Acredito que esta semana o que está pendente será definido e depois nos prepararemos para uma nova relação com quem tiver de se estabelecer”, acrescentou.

A posição de Bolsonaro em relação às eleições nos Estados Unidos é semelhante à adotada pela Rússia, China e também países latino-americanos como o México, que optaram por aguardar o resultado das ações judiciais tentadas pelo candidato republicano e Presidente cessante, Donald Trump, que denunciou alegadas fraudes no processo de votação nas presidenciais norte-americanas.

Bolsonaro expressou ao longo do processo eleitoral dos Estados Unidos a sua preferência pela reeleição de Trump e manteve um tom crítico contra Biden após algumas declarações do agora Presidente eleito sobre a Amazónia.

Quando ainda era candidato, Biden disse que o Brasil deveria acabar com a “destruição” da Amazónia, caso contrário teria de enfrentar “consequências económicas significativas”, e adiantou que conversaria com outros países para oferecer ao Governo de Bolsonaro a quantia de 20 mil milhões de dólares [16,8 mil milhões de euros] para acabar a desftruição da maior floresta tropical do mundo.

O Presidente brasileiro reagiu imediatamente e advertiu que “não aceitava subornos”.

Disse ainda que “alguns não entendem que o Brasil mudou”, que a soberania do país “não é negociável”, e qualificou a declaração de Biden de “lamentável”.

Nos últimos dias, quando o triunfo de Biden já começava a refletir-se nas urnas, Bolsonaro baixou um pouco o tom, mas ainda não reconheceu o resultado da eleição presidencial norte-americana projetado pelos ‘media’ daquele país e aceite pela maioria dos governos mundiais.

CYR // JH

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS