Bielorrússia: Opositor condenado a 14 anos de prisão por corrupção

O opositor bielorrusso Viktor Babaryko, que pretendia concorrer nas eleições presidenciais de agosto de 2020 contra o Presidente Alexander Lukashenko e foi detido muito antes do sufrágio, foi condenado hoje a 14 anos de prisão por corrupção.

Bielorrússia: Opositor condenado a 14 anos de prisão por corrupção

Bielorrússia: Opositor condenado a 14 anos de prisão por corrupção

O opositor bielorrusso Viktor Babaryko, que pretendia concorrer nas eleições presidenciais de agosto de 2020 contra o Presidente Alexander Lukashenko e foi detido muito antes do sufrágio, foi condenado hoje a 14 anos de prisão por corrupção.

“Viktor Babaryko foi condenado a 14 anos de prisão numa colónia prisional de segurança máxima”, indicaram os seus apoiantes na rede social Twitter.

O opositor foi condenado por ter recebido subornos “em quantidade significativa” e por branqueamento de capitais, indicou a organização não-governamental bielorrussa Viasna, divulgando a decisão do Supremo Tribunal bielorrusso.

O facto de o Supremo Tribunal ter proferido esta decisão impede Babaryko de apelar desta decisão.

O ativista, de 57 anos e ex-banqueiro, era considerado o oponente mais forte contra a candidatura do atual Presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, nas eleições presidenciais de 2020.

Babaryko também foi hoje condenado a uma multa de cerca de 45 mil euros e proibido de exercer cargos de direção, segundo um jornalista independente presente na audiência.

A acusação afirma que o opositor cometeu os crimes pelos quais foi condenado enquanto estava à frente do Belgazprombank, filial bielorrussa de um banco pertencente ao gigante russo Gazprom.

Sete outros ex-funcionários deste banco, que se confessaram culpados e testemunharam contra Babaryko, foram condenados a penas que variam de três a seis anos de prisão, segundo o jornalista independente.

A reeleição de Lukashenko gerou um movimento de protesto sem precedentes no verão passado, reunindo dezenas de milhares de manifestantes durante meses.

A conselheira mais próxima de Babaryko, Maria Kolesnikova, foi uma das três figuras femininas que lideraram o protesto após as prisões de vários candidatos que pretendiam concorrer às eleições.

Maria Kolesnikova foi presa depois de se recusar a ir para o exílio. As outras duas, Svetlana Tikhanovskaya, que se tornou o rosto da oposição, e Veronika Tsepkalo, fugiram da Bielorrússia.

A condenação Babaryko ocorre num clima de processos judiciais generalizados contra opositores, ONG e jornalistas na Bielorrússia.

“Podemos construir um país com valores humanistas onde o indivíduo seja respeitado”, disse Babaryko no final de junho, durante o seu julgamento, referindo ainda que acreditava numa “Bielorrússia feliz, honesta e aberta”.

CSR // PMC

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS