BE quer negociar Orçamento com base em avanços e não em recuos

BE quer negociar Orçamento com base em avanços e não em recuos

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE) afirmou hoje que o partido vai negociar o Orçamento do Estado para 2019 com base em avanços e não em recuos e adiantou que não há nenhum ultimato ao Governo.

Covilhã, Castelo Branco, 09 jul (Lusa) – A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE) afirmou hoje que o partido vai negociar o Orçamento do Estado para 2019 com base em avanços e não em recuos e adiantou que não há nenhum ultimato ao Governo.


“O que já estava combinado [com o Governo] tem de andar para a frente (…). Vamos negociar o Orçamento do Estado para 2019, com base em avanços, nunca fazer recuos no que já tinha sido acordado”, afirmou Catarina Martins.


A coordenadora do BE deslocou-se ao Tortosendo, a terrenos situados à porta do Parque Natural da Serra da Estrela, para observar o processo de rearborização de 94 hectares de eucalipto.


Em declarações aos jornalistas, explicou que não fez qualquer ultimato ao Governo face às negociações para o Orçamento do Estado para 2019.


“Tenho dito todos os dias a mesma coisa e vou repeti-lo. Nós achamos que aquilo que já foi legislado tem de estar resolvido antes do próximo orçamento”, sustentou.


E avançou com exemplos práticos daquilo que já foi acordado com o Governo, como o descongelamento das carreiras dos funcionários da função pública, incluindo as questões do tempo de serviço dos professores e de outros ou o compromisso que foi feito para combater a precariedade.


“Está na lei e é para cumprir antes do OE para 2019. É preciso que estas coisas sejam decididas antes do Orçamento do Estado para 2019. Não há nenhum ultimato. Há é a determinação de sempre do BE de trabalhar setorialmente, dossiê a dossiê, em avanços. O que não aceitamos é que alguém queira negociar recuos”, concluiu.


No domingo, em Vila Nova de Gaia, o ministro dos Negócios Estrangeiros avisou o Bloco de Esquerda para que não “ceda à tentação de fazer ultimatos” na negociação do próximo Orçamento do Estado, cuja aprovação diz abrir caminho à renovação do acordo à esquerda em 2019.


“O que é preciso fazer é negociar sem ultimatos”, sustentou Augusto Santos Silva, acrescentando: “O Partido Socialista tem-no dito com toda a clareza, o Partido Comunista Português tem-no dito com toda a clareza, ao Partido Ecologista Os Verdes nunca lhes ouvi dizer o contrário, mas o Orçamento precisa do voto dos quatro partidos que constituem a atual maioria parlamentar”.


Neste sentido — sustentou, sem nunca se referir diretamente ao BE — “é muito importante que nenhum dos partidos que constituem hoje a maioria parlamentar ceda à tentação de estabelecer, implícita ou explicitamente, qualquer tipo de ultimato”.




CAYC (PD) // ZO

By Impala News / Lusa


RELACIONADOS

BE quer negociar Orçamento com base em avanços e não em recuos

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE) afirmou hoje que o partido vai negociar o Orçamento do Estado para 2019 com base em avanços e não em recuos e adiantou que não há nenhum ultimato ao Governo.