BE diz que nomeação de Bolieiro nos Açores é “legítima” mas PSD “abdicou dos seus princípios”

O líder do BE/Açores afirmou hoje que a indigitação de José Manuel Bolieiro como presidente do Governo Regional é “legítima”, mas lamenta que o PSD tenham abdicado “dos seus princípios” para “chegar ao poder”.

BE diz que nomeação de Bolieiro nos Açores é

BE diz que nomeação de Bolieiro nos Açores é “legítima” mas PSD “abdicou dos seus princípios”

O líder do BE/Açores afirmou hoje que a indigitação de José Manuel Bolieiro como presidente do Governo Regional é “legítima”, mas lamenta que o PSD tenham abdicado “dos seus princípios” para “chegar ao poder”.

A indigitação do líder do PSD, José Manuel Bolieiro, é uma “decisão naturalmente legítima do representante da República”, declarou à Lusa António Lima, coordenador regional do Bloco de Esquerda, acrescentando que, “tendo em conta a aritmética parlamentar, o conjunto de forças que foram eleitas, a opção para um governo de direita era bastante provável que surgisse”.

O bloquista diz, no entanto, que o que não esperava “era que o PSD abdicasse de muitos dos seus princípios para fazer um acordo escrito com o Chega, abdicando de um historial de um partido com valores humanistas, e que tivesse abdicado desses princípios para chegar ao poder”.

Ainda assim, o deputado garante que o “Bloco de Esquerda participará nesta legislatura, fazendo aquilo que se comprometeu a fazer, lutando por uma região mais justa, mais solidária, que tenha atenção às desigualdades sociais da região, que melhore os serviços públicos”.

O partido prepara-se para “continuar a lutar”, mas não acredita “que este governo tenha soluções para os grandes problemas que a região enfrenta”.

Assume-se, por isso, como “a oposição a este governo, frontalmente, a um governo que é apoiado por um partido que tem princípios antidemocráticos”.

O anúncio de que José Manuel Bolieiro será o próximo presidente do Governo Regional dos Açores foi feito hoje por Pedro Catarino, em Angra do Heroísmo, na ilha Terceira, no final do segundo dia de audições aos partidos com assento na nova Assembleia Legislativa Regional, que terá, pela primeira vez, oito forças políticas.

O PS venceu as eleições legislativas regionais, mas perdeu a maioria absoluta, que detinha há 20 anos, elegendo 25 deputados.

O PSD foi a segunda força política mais votada, com 21 deputados, seguindo-se o CDS-PP, com três. Chega, BE e PPM elegeram dois deputados e Iniciativa Liberal (IL) e PAN um cada.

PSD, CDS-PP e PPM, que juntos têm 26 deputados, anunciaram esta semana uma coligação, mas necessitam de mais três mandatos para alcançar uma maioria absoluta. Ao final da manhã de hoje, após ser recebido pelo representante da República, o líder regional dos sociais-democratas disse que já existem acordos com Chega e IL.

A instalação da Assembleia Legislativa, que tem um total de 57 deputados, está marcada para 16 de novembro. Habitualmente, o Governo Regional toma posse, perante o parlamento, no dia seguinte.

Depois da tomada de posse, o programa do executivo terá de ser entregue na Assembleia Legislativa em 10 dias.

ILYD (MLS/CYB) // MLS

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS