Alemanha/eleições: Olaf “Scholzomat”, a “máquina” social-democrata consolida vantagem nas sondagens

O candidato do Partido Social Democrata alemão (SPD), Olaf Scholz, apelidado em 2003 de “Scholzomat”, uma mistura entre o seu nome e a palavra “máquina”, consolida vantagem nas sondagens para as eleições legislativas.

Alemanha/eleições: Olaf

Alemanha/eleições: Olaf “Scholzomat”, a “máquina” social-democrata consolida vantagem nas sondagens

O candidato do Partido Social Democrata alemão (SPD), Olaf Scholz, apelidado em 2003 de “Scholzomat”, uma mistura entre o seu nome e a palavra “máquina”, consolida vantagem nas sondagens para as eleições legislativas.

Foi o primeiro a chegar-se à frente na corrida às eleições legislativas de 26 de setembro, tendo meses antes sido derrotado no escrutínio interno para a liderança do partido. Durante meses, esteve muito atrás da União Democrata-Cristã (CDU), partido de Merkel e companheiro de coligação, e dos Verdes.

Há pouco mais de uma semana, uma sondagem mostrava Olaf Scholz a conseguir o impensável, um primeiro lugar. A primeira vez desde 2006. Dois novos estudos, divulgados esta quinta-feira, mostram uma diferença de entre 4 e 5 pontos percentuais entre o SPD, que arrecada 25% das intenções de voto, e a CDU/CSU com 21% no cenário mais otimista.

O também ministro das Finanças, de 62 anos, tem conseguido, ao contrário dos seus rivais, escapar a escândalos, ganhando com os deslizes de Armin Laschet (CDU) e Annalena Baerbock (Verdes). A gestão das crises provocadas pela pandemia de covid-19 e das cheias que abalaram parte do país, no mês de julho, tem dado mais consistência a uma imagem pouco carismática.

Para trás fica o “Scholzomat”, uma combinação do seu nome com “Automat” (máquina), alcunha que lhe foi dada em 2003 pelo jornal Die Zeit por causa do seu uso de jargão tecnocrático.

Se for eleito chanceler, Scholz quer construir mais habitação “para travar o aumento excessivo das rendas”, defende políticas mais comprometidas com a proteção ambiental, e quer transformar a Alemanha num exportador líder de energia verde.

A maior prioridade para o candidato do SPD é, no entanto, aumentar o salário mínimo de 9,60 euros para 12 euros. Por outro lado, a CDU acredita que a negociação salarial deve ser deixada para os patrões e empregados.

Scholz acredita, ainda assim, que são bem maiores as semelhanças que as diferenças, apresentando-se como o sucessor natural de Angela Merkel na liderança do governo alemão. O reviver de uma grande coligação (“GroKo”), no poder desde 2013, não parece ser um cenário que agrade a nenhuma das partes.

Desagradada com os resultados da CDU/CSU, a atual chanceler, até agora pouco presente na campanha, já veio distanciar-se de Scholz, assumindo existir uma “grande diferença” entre ela e o candidato do SPD.

A formação de um Governo parece ser agora um dos temas quentes, apesar de ainda faltarem mais de três semanas para se conhecerem os resultados da votação que já decorre por correio. Em 2017 foram precisos seis meses até haver fumo branco. Uma coligação de esquerda, formada pelo SPD, Verdes e Die Linke (A Esquerda), que antes se apresentava improvável, tornou-se agora possível e não afastada por nenhuma das partes.

“Comigo como chanceler federal, nunca haveria uma coligação com o ‘Die Linke’, algo que não é possível perceber com Olaf Scholz”, sublinhou Merkel em declarações aos jornalistas, em Berlim.

Provável ainda parece ser a necessidade de contar com os liberais do partido Freie Demokraten “Fdp” na equação, colorindo as possibilidades de uma coligação “semáforo”, por exemplo.

Resta saber se o eleitorado que o SPD parece ter ganho nas últimas semanas, que tem saltitado de partido em partido, se mantenha com Scholz. As eleições legislativas na Alemanha estão marcadas para 26 de setembro.

JYD // PMC

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS