Alemanha mantém centrais a carvão e petróleo na reserva para eventual escassez de gás

O Governo alemão aprovou hoje um projeto de lei para alargar o tempo de ‘vida’ das centrais elétricas a carvão e petróleo na reserva, para que se possa recorrer a estas fontes de energia em caso de escassez de gás.

Alemanha mantém centrais a carvão e petróleo na reserva para eventual escassez de gás

Alemanha mantém centrais a carvão e petróleo na reserva para eventual escassez de gás

O Governo alemão aprovou hoje um projeto de lei para alargar o tempo de ‘vida’ das centrais elétricas a carvão e petróleo na reserva, para que se possa recorrer a estas fontes de energia em caso de escassez de gás.

Segundo a agência EFE, a porta-voz adjunta do Governo, Christiane Hoffmann, destacou, em conferência de imprensa, que o projeto de lei “sobre o fornecimento de centrais substitutas para reduzir o consumo de gás no setor elétrico em caso de escassez iminente de gás”, aprovado em Conselho de Ministros, visa “reforçar ainda mais a segurança energética na Alemanha”.

Com esta lei, está prevista a criação de uma reserva de substituição de gás por um período limitado, até 31 de março de 2024, com a qual será possível poupar gás no abastecimento da rede elétrica, se vier a ser necessário, especificou Christiane Hoffmann.

Para isso, as centrais a carvão e petróleo atualmente na reserva serão ajustadas para poderem “no curto prazo, voltar ao mercado, em caso de procura”.

O objetivo é, em caso de escassez iminente, substituir ao máximo a produção de eletricidade a partir de gás por outras fontes de energia, ou seja, petróleo e carvão, “na medida do possível”, explicou. “Isto é especialmente importante no contexto da guerra russa contra a Ucrânia e a situação tensa nos mercados de energia”, enfatizou a porta-voz. Ainda assim, Hoffmann disse que o Governo alemão mantém o objetivo de abandonar a produção a carvão até 2030, bem como os objetivos climáticos.

Já a porta-voz da Economia, Beate Baron, salientou que com o acordo de hoje o que se está a fazer é tomar medidas preventivas, mas assegurou que nenhuma das centrais da reserva passará a fazer parte do mercado elétrico. Baron especificou que será necessário prolongar a reserva, que em alguns casos estava prestes a expirar, para que as centrais permaneçam na rede de reserva e, consequentemente, a sua operação também tenha que ser garantida por mais tempo.

Em relação às centrais nucleares, Baron indicou que a avaliação realizada pelo Ministério da Economia e Clima e pelo Ministério do Ambiente concluiu que o prolongamento da sua operação não contribuiria substancialmente para compensar possíveis problemas de abastecimento. A porta-voz lembrou que as três últimas centrais nucleares ainda na rede representam apenas 5% da produção de eletricidade na Alemanha.

Impala Instagram


RELACIONADOS