África é crucial para sucesso da transição mundial para economia verde e digital – Durão Barroso

O presidente do Fórum Euro-África, Durão Barroso, defendeu hoje que o continente africano é crucial para o sucesso da transição mundial para uma economia verde e digital, lembrando que este objetivo é uma prioridade da União Europeia.

África é crucial para sucesso da transição mundial para economia verde e digital - Durão Barroso

África é crucial para sucesso da transição mundial para economia verde e digital – Durão Barroso

O presidente do Fórum Euro-África, Durão Barroso, defendeu hoje que o continente africano é crucial para o sucesso da transição mundial para uma economia verde e digital, lembrando que este objetivo é uma prioridade da União Europeia.

“A relação [da Europa] com África é crucial para desafios globais, porque África vai ser um fator-chave para o sucesso ou insucesso das transições para uma economia verde e digital”, afirmou José Manuel Durão Barroso, no final do fórum que decorre desde quinta-feira em Carcavelos, Lisboa.

“É impossível ter sucesso” nessa transição sem África, considerou Durão Barroso, sublinhando que o continente tem hoje uma população aproximada de 1,3 mil milhões de pessoas, mas é esperado que chegue aos 2,5 mil milhões de habitantes em 2050.

Segundo o presidente do fórum, os dois continentes — Europa e África — têm uma ligação muito especial, não só “por serem vizinhos, terem uma proximidade cultural e histórica e serem parceiros naturais”, mas também pelo impacto mútuo que têm os acontecimentos.

“A queda da economia na Europa teve efeitos imediatos do outro lado do Mediterrâneo e sabemos, por experiência, que a instabilidade do outro lado – na Líbia, no Sahel ou no corno de África – tem impacto direto na Europa, do ponto de vista da segurança, da migração ilegal ou dos refugiados”, referiu.

Todas estas conexões levaram a União Europeia a querer “posicionar-se como parceiro privilegiado do continente [africano] e melhorar a relação”, disse Durão Barroso.

Segundo lembrou o também ex-presidente da Comissão Europeia, a União Europeia apresentou, em março de 2020, uma proposta para cooperação com África, com várias prioridades, como a transição para uma economia verde, o acesso a energia ou a facilitação da mobilidade.

A ideia da União Europeia é melhorar a relação e posicionar-se como um parceiro privilegiado do continente [africano]”, mas também “acabar com a relação de doador/recetor”, defendeu o presidente do Fórum.

Embora admita que continua a haver necessidade de ajudar, sobretudo do ponto de vista humanitário, “essa não deve ser a perspetiva central”, considerou, acrescentado que o diálogo também não pode acontecer apenas entre a União Europeia e a União Africana.

“Deve incluir também ‘players’ regionais, o setor privado, a sociedade civil… e devemos, claro, melhorar a relação a um nível multilateral”, afirmou.

Organizado pelo Conselho da Diáspora Portuguesa, o Fórum Euro-África reuniu personalidades dos setores público e privado, sociedade civil, empresários, ativistas e cientistas, para debater os desafios comuns dos dois continentes na era pós-covid.

PMC // FPA

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS