Afeganistão: ONU insta talibãs a protegerem direitos das crianças

As Nações Unidas apelaram hoje aos talibãs para “respeitarem e protegerem os direitos humanos” e também à comunidade internacional para “não abandonar as crianças” no Afeganistão, já que 45% da população tem menos de 15 anos de idade.

Afeganistão: ONU insta talibãs a protegerem direitos das crianças

Afeganistão: ONU insta talibãs a protegerem direitos das crianças

As Nações Unidas apelaram hoje aos talibãs para “respeitarem e protegerem os direitos humanos” e também à comunidade internacional para “não abandonar as crianças” no Afeganistão, já que 45% da população tem menos de 15 anos de idade.

Numa declaração conjunta, a representante especial do secretário-geral da ONU para as Crianças e Conflitos Armados, Virginia Gamba, e a representante especial para a Violência contra as Crianças, Najat Maala M’jid, condenaram os “horríveis e mortais ataques contra o aeroporto de Cabul, no qual terão sido mortas e mutiladas crianças”, expressando “as mais profundas condolências” às vítimas e ao povo afegão.

“Os atuais contextos políticos e de segurança não devem apagar o progresso dos direitos humanos, incluindo os das crianças e mulheres. Exortamos os talibãs e outros partidos a respeitar a dignidade e os direitos humanos de todos os afegãos, incluindo rapazes e raparigas. Assegurar a proteção das crianças contra os danos e incluir as suas vozes e necessidades é fundamental para a paz e o desenvolvimento sustentáveis no Afeganistão”, vincaram os responsáveis.

As duas representantes recordam aos talibãs que estão “vinculados a todas as normas internacionais com as quais o Afeganistão já se comprometeu para a proteção das crianças”.

Além disso, demonstraram preocupação com os direitos das raparigas, incluindo a violência sexual e baseada no género, referindo que o direito à educação das mulheres deve continuar a ser respeitado e protegido de ameaças.

Segundo o comunicado, a primeira metade do ano testemunhou “um número alarmante de violações graves cometidas contra crianças”, o que levou os funcionários a instar os talibãs a garantir o respeito e proteção da ajuda humanitária, num país onde “10 milhões de crianças” precisam dessa ajuda para “sobreviver no terreno”.

“Proteger os direitos de todos os afegãos, incluindo os direitos das crianças, é a única solução sustentável para a paz”, finaliza a declaração.

No documento, a ONU referiu que o Conselho de Segurança identificou seis violações graves contra crianças: recrutamento e utilização, assassínio e mutilação, violação ou outras formas de violência sexual, ataques a escolas e hospitais, raptos e negação de acesso humanitário para crianças.

Os talibãs conquistaram Cabul em 15 de agosto, concluindo uma ofensiva iniciada em maio, quando começou a retirada das forças militares norte-americanas e da NATO.

As forças internacionais estavam no país desde 2001, no âmbito da ofensiva liderada pelos Estados Unidos contra o regime extremista (1996-2001), que acolhia no território o líder da Al-Qaida, Osama bin Laden, principal responsável pelos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001.

A tomada da capital pôs fim a uma presença militar estrangeira de 20 anos no Afeganistão, dos Estados Unidos e aliados na NATO, incluindo Portugal.

AXYG // EL

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS