Açores/Eleições: Interesse da região tem de ficar acima da conservação de poder – PSD

O presidente do PSD/Açores considerou hoje que os 24 anos de poder do PS na região “não deram bons resultados de progresso”, pedindo que o “superior interesse” dos Açores fique “sempre acima da conservação partidária de poder”.

Açores/Eleições: Interesse da região tem de ficar acima da conservação de poder - PSD

Açores/Eleições: Interesse da região tem de ficar acima da conservação de poder – PSD

O presidente do PSD/Açores considerou hoje que os 24 anos de poder do PS na região “não deram bons resultados de progresso”, pedindo que o “superior interesse” dos Açores fique “sempre acima da conservação partidária de poder”.

“O superior interesse da região tem de ficar sempre acima, e muito acima, da conservação partidária do poder”, considerou José Manuel Bolieiro, falando no Coliseu Micaelense, em Ponta Delgada, na sessão de apresentação do programa de governo dos sociais-democratas açorianos para as eleições no arquipélago, marcadas para 25 de outubro.

Perante cerca de uma centena de militantes, numa sessão limitada pela pandemia de covid-19, Bolieiro frisou que “o mesmo caminho para as mesmas opções produz sempre os mesmos resultados”, e “importa” que os açorianos transformem “o medo da mudança em coragem e ousadia pelos Açores do futuro”.

“É possível, é preciso e urgente fazer diferente. Queremos para os Açores um verdadeiro desenvolvimento, mais consistente e mais consequente. O desenvolvimento económico requer um governo orientado para o desenvolvimento. Deve criar um contexto propenso ao investimento das empresas privadas”, disse ainda.

Bolieiro diz não se poder conformar com as “realidades que as estatísticas objetivas e independentes evidenciam no presente, após o mesmo modelo de governação [do PS] durante 24 anos consecutivos”.

E concretizou: “Vinte e quatro anos é muito tempo e não deram os bons resultados de progresso à data de hoje, que os milhões recebidos, se fossem bem geridos, podiam e deviam ter gerado, combatendo a pobreza, criando riqueza, emprego e desenvolvimento”.

O chefe dos sociais-democratas açorianos citou diversos “dados sintomáticos recentes e independentes” divulgados pela Pordata, como a taxa de abandono escolar, que “é mais do dobro da registada a nível nacional”, ou o facto de, nos Açores, “sete em cada dez habitantes têm, no máximo, o ensino básico” e apenas “um em cada dez completou o ensino superior, uma diferença de nove pontos percentuais face ao observado a nível nacional”.

“Nos Açores, há dez beneficiários do Rendimento Social de Inserção por cada 100 residentes. Este rácio está acima do observado a nível nacional, três em cada 100 residentes. Não é um bom sintoma. É um combate à pobreza que tem mantido a pobreza. Ora, do que precisamos é de outra realidade e ela precisa de uma outra governação”, defendeu ainda José Manuel Bolieiro.

O programa político do PSD para as eleições regionais nos Açores, marcadas para outubro, assenta em quatro eixos estratégicos, defendendo uma desgovernamentalização e descentralização da região, a par de maior liberdade e independência e avanços no campo digital.

O documento arranca com uma “carta aberta ao eleitor açoriano”, assinada pelo presidente do PSD/Açores e desenvolve as prioridades do partido em várias áreas de atuação.

Na missiva, é dito que o “indeclinável perfil político” do atual PSD “é reconhecido e não muda”, assentando no respeito e diálogo.

“É isso que podem esperar de nós os açorianos, apoiantes e adversários. Estamos disponíveis para o debate plural e democrático, com respeito pela integridade das pessoas e das instituições, que representam legitimamente a vontade do povo”, diz Bolieiro.

O projeto político do PSD/Açores, acrescenta, é “intergeracional”, “dos e para os Açores”, região que “precisa de uma mudança de políticas”.

“A candidatura que assumimos à presidência do governo da Região Autónoma dos Açores, em nome e representação do PSD/Açores, justifica-se pelo valor democrático da afirmação de uma alternativa de governação. Uma alternativa que seja geradora de alternância do poder”, é ainda dito.

Bolieiro garante ainda aos eleitores que vai dar “mais espaço ao empreendedorismo, de empregadores e trabalhadores”, que terão com o PSD “mais liberdade e segurança para criarem riqueza e trabalho”.

Os Açores em 2030, defende Bolieiro e a sua candidatura, devem ser uma região “substancialmente mais rica”, baseada no “desenvolvimento sustentável” e ultrapassando “desafios da ultraperiferia e insularidade”.

Nas anteriores legislativas açorianas, em 2016, o PS venceu com 46,4% dos votos, o que se traduziu em 30 mandatos no parlamento regional, contra 30,89% do segundo partido mais votado, o PSD, com 19 mandatos, e 7,1% do CDS-PP (quatro mandatos).

O BE, com 3,6%, obteve dois mandatos, a coligação PCP/PEV, com 2,6%, um, e o PPM, com 0,93% dos votos expressos, também um.

O PS governa a região há 24 anos, tendo sido antecedido pelo PSD, que liderou o executivo regional entre 1976 e 1996.

Vasco Cordeiro, líder do PS/Açores e presidente do Governo Regional desde as legislativas regionais de 2012, após a saída de Carlos César, que esteve 16 anos no poder, apresenta-se de novo a votos para tentar um terceiro e último mandato como chefe do executivo.

PPF // TDI

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS