Açores/Crise: Vice do Governo Regional lembra que estrutura local do Chega tem autonomia

Artur Lima manifestou-se hoje “tranquilo” com a orientação da Direção Nacional do Chega de retirar o apoio ao executivo, sublinhando que as estruturas partidárias regionais “têm autonomia”.

Açores/Crise: Vice do Governo Regional lembra que estrutura local do Chega tem autonomia

Açores/Crise: Vice do Governo Regional lembra que estrutura local do Chega tem autonomia

Artur Lima manifestou-se hoje “tranquilo” com a orientação da Direção Nacional do Chega de retirar o apoio ao executivo, sublinhando que as estruturas partidárias regionais “têm autonomia”.

Ponta Delgada, Açores, 17 nov 2021 (Lusa) — O líder do CDS-PP/Açores e vice-presidente do Governo Regional manifestou-se hoje “tranquilo” com a orientação da Direção Nacional do Chega de retirar o apoio ao executivo, sublinhando que as estruturas partidárias regionais “têm autonomia”.

“O doutor André Ventura é que tem de se entender com o partido a nível regional. Eu presumo que os órgãos regionais do Chega, à semelhança dos outros partidos, devem ter autonomia. Portanto, são os órgãos regionais do Chega, que foi quem assinou o acordo, que se hão de pronunciar sobre a matéria”, afirmou Artur Lima à agência Lusa.

Artur Lima comentava desta forma o anúncio feito hoje pelo líder nacional do Chega, André Ventura, de que iria pedir ao Chega Açores para retirar o apoio ao Governo Regional (PSD/CDS-PP/PPM), acabando com o acordo de incidência parlamentar.

“Eu já vi tanta coisa no Chega. Eram dois, depois já é um, amanhã não sei quantos são. As pessoas são responsáveis pelas afirmações que fazem e pelas atitudes. Eu, pela minha parte, estou muito tranquilo quanto a essa matéria”, sublinhou, escusando-se a tecer mais comentários.

Também em declarações à Lusa, o deputado único do Chega na Assembleia Regional dos Açores, José Pacheco, disse que ainda está em “negociações” com o Governo Regional, salientando que é sua a “última palavra” sobre o apoio ao executivo.

“A última palavra há de ser minha. Estamos em conversações. Até sexta-feira vamos amadurecer isso tudo. Satisfeito [com o Governo Regional], eu não ando”, declarou José Pacheco.

O deputado do Chega remeteu mais esclarecimentos para uma conferência de imprensa a realizar na sexta-feira.

Em conferência de imprensa, André Ventura justificou a retirada de apoio ao Governo açoriano com a postura manifestada reiteradamente pelo líder do PSD, Rui Rio, de rejeitar acordos pós-eleitorais com o Chega.

O Chega “retirar-se-á, segundo sugestão da Direção Nacional, do Governo Regional dos Açores, do seu apoio de quadro parlamentar, que neste momento existe na região autónoma”, disse.

A Assembleia Legislativa dos Açores é composta por 57 deputados, sendo que, na atual legislatura, 25 são do PS, 21 do PSD, três do CDS-PP, dois do PPM, dois do BE, um da Iniciativa Liberal, um do PAN, um do Chega e um deputado independente (eleito pelo Chega).

No arquipélago, PSD, CDS-PP e PPM, que juntos representam 26 deputados, assinaram um acordo de governação. A coligação assinou ainda um acordo de incidência parlamentar com o Chega e o PSD um acordo de incidência parlamentar com a IL. O deputado não inscrito Carlos Furtado manteve o apoio ao Governo dos Açores.

Se o deputado único do Chega, José Pacheco, deixar de apoiar o executivo, este passa a contar com o apoio de 28 deputados, insuficiente para garantir maioria absoluta no hemiciclo (29).

Além disso, o deputado único da Iniciativa Liberal, Nuno Barata, revelou em 05 de novembro que o seu sentido de voto não está fechado, mesmo depois de o Governo Regional ter reduzido o nível de endividamento previsto no Orçamento e no Plano para 2022, tal como tinha exigido o parlamentar.

A Assembleia Legislativa Regional dos Açores começa na segunda-feira o debate sobre o Plano e Orçamento do Governo para 2022.

FAC (RPYP/TA) // MLS

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS