Organização moçambicana quer leis para ciber-segurança e direitos digitais

A delegação de Moçambique do Instituto da Comunicação Social da África Austral (Misa) criou um grupo para apoiar a criação de leis nas áreas de ciber-segurança e direitos digitais, anunciou a organização.

Organização moçambicana quer leis para ciber-segurança e direitos digitais

Organização moçambicana quer leis para ciber-segurança e direitos digitais

A delegação de Moçambique do Instituto da Comunicação Social da África Austral (Misa) criou um grupo para apoiar a criação de leis nas áreas de ciber-segurança e direitos digitais, anunciou a organização.

O Misa pretende contribuir para que se produza “legislação que acautele os vários interesses da sociedade, que garanta as liberdades e o uso da Internet como um instrumento de procura do saber e de comunicação”, refere o presidente do MISA Moçambique, Fernando Gonçalves, em comunicado.

A criação do “grupo de referência” faz parte de um conjunto de iniciativas desenvolvidas pela organização para a reforma do quadro legal ligado ao exercício das liberdades de imprensa, de expressão e direito à informação.

Segundo Fernando Gonçalves, exige-se que a legislação moçambicana “não ponha em causa os avanços já alcançados”, por exemplo, com a lei do Direito à Informação, publicada em 2014 – normativo que define a obrigatoriedade de divulgação, disponibilização atempada de informação e atendimento não discriminatório a todos os cidadãos por parte de instituições do Estado ou aos seus fins ligadas.

A primeira reunião do novo grupo do Misa decorreu na terça-feira.

Segundo a organização, o país enfrenta “desafios advindos do desenvolvimento das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC), como é o caso dos crimes cibernéticos, segurança e defesa dos direitos digitais”.

Segundo o último censo populacional, realizado em 2017, um quinto da população tem telemóvel, mas só 6% da população tem acesso à Internet.

A percentagem de população com acesso a computador é de 4,4%.

O censo apurou uma população total de cerca de 28 milhões de habitantes, que se estima chegue aos 30 milhões este ano.

LFO // PJA

Lusa/fim

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS