MNE de Cabo Verde pede que caso de estudante seja tratado “sem paixões”

O chefe da diplomacia de Cabo Verde disse hoje compreender a “indignação das pessoas” pelas circunstâncias da morte de um estudante cabo-verdiano em Portugal, mas apela a que o caso seja acompanhado “sem paixões”, aguardando-se pela justiça.

MNE de Cabo Verde pede que caso de estudante seja tratado

MNE de Cabo Verde pede que caso de estudante seja tratado “sem paixões”

O chefe da diplomacia de Cabo Verde disse hoje compreender a “indignação das pessoas” pelas circunstâncias da morte de um estudante cabo-verdiano em Portugal, mas apela a que o caso seja acompanhado “sem paixões”, aguardando-se pela justiça.

O ministro dos Negócios Estrangeiros e Comunidades, Luís Filipe Tavares, falava aos jornalistas à margem de um ato oficial na Praia, poucas horas depois de a Embaixada cabo-verdiana em Lisboa ter divulgado, em comunicado, que o ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, tinha telefonado ao homólogo de Cabo Verde, “para apresentar o seu voto de pesar e de repulsa pelo ato bárbaro praticado e que conduziu à morte do jovem estudante cabo-verdiano”.

Em 21 de dezembro de 2019, o estudante cabo-verdiano do Instituto Politécnico de Bragança (IPB) Luís Giovani dos Santos Rodrigues terá sido agredido por vários homens à saída de uma discoteca da cidade.

Transportado para o Hospital de Santo António, no Porto, o estudante de 21 anos acabou por morrer em 31 de dezembro.

O caso está a ser investigado pela Polícia Judiciária portuguesa.

“Devemos deixar a Justiça fazer o seu trabalho normalmente, sem paixões”, apelou o chefe da diplomacia cabo-verdiana, numa altura em que estão convocadas para os próximos dias manifestações de solidariedade, nomeadamente na Praia, Londres, Luxemburgo, Paris e em cidades portuguesas.

Luís Filipe Tavares apontou o “comportamento exemplar” das autoridades portuguesas no acompanhamento deste caso e agradeceu “todas as manifestações de carinho” recebidas pelo Governo cabo-verdiano, nomeadamente do primeiro-ministro português, António Costa, e de Augusto Santos Silva.

Assumiu que nesta fase a prioridade é o apoio à família do jovem estudante, no processo de transladação do corpo para Cabo Verde, onde é esperado, para o funeral na ilha do Fogo, até quinta-feira, e na disponibilização de apoio jurídico no processo judicial que se segue.

“A justiça portuguesa funciona muito bem, Portugal é um Estado de Direito Democrático como Cabo Verde e não há razões para grandes preocupações”, afirmou Luís Filipe Tavares.

Ainda assim, e face aos alegados contornos deste caso, assume compreender a “indignação das pessoas”.

“É uma morte bárbara e que todas as pessoas condenam, e bem, o que aconteceu”, disse ainda.

Em declarações na segunda-feira aos jornalistas no Palácio da Ajuda, em Lisboa, o diretor da Polícia Judiciária (PJ), Luís Neves, garantiu o empenhamento na descoberta dos “autores das agressões”, apesar de estar a investigar o crime “há muito poucos dias”.

O jornal Público noticiou que a PJ aponta para “um motivo fútil” e afasta a tese de ódio racial associada à morte do estudante cabo-verdiano, nomeadamente nas redes sociais.

O diário indica também que “a autópsia foi inconclusiva, não esclarecendo se a morte foi provocada pela agressão ou pela queda” na rua, onde o jovem foi encontrado inanimado.

O caso chegou às autoridades de Bragança como um possível alcoolizado caído na rua sem menção a agressões ou ferimentos, disse à Lusa o 2.º comandante dos bombeiros de Bragança, Carlos Martins.

Só depois de chegar ao local e avaliar a vítima é que a equipa de emergência descobriu um ferimento na cabeça e “verificou que se tratava de um possível traumatismo craniano”, indicou.

Luís Giovani era natural da ilha cabo-verdiana do Fogo, tendo o município de Mosteiros publicado uma nota sobre a sua morte, recordando que tinha viajado em outubro para Bragança, “para seguir o curso de Design de Jogos Digitais” no IPB.

“Giovani era um dos mais promissores artistas de Mosteiros, tendo-se destacado na banda Beatz Boys, um grupo integrado por jovens formados pela paróquia de Nossa Senhora da Ajuda e artistas oriundos do agrupamento De Martins”, lê-se na mesma mensagem da Câmara Municipal de Mosteiros.

PVJ // VM

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS