Mais de cem mulheres manifestam-se no Porto contra agressões e “cultura machista”

Mais de cem mulheres manifestaram-se hoje, sob o lema “Parem de nos matar”, junto ao Tribunal da Relação no Porto, e apelaram para o fim da “violência contra as mulheres” e da “cultura machista que existe em algumas instituições”.

Mais de cem mulheres manifestam-se no Porto contra agressões e

Mais de cem mulheres manifestam-se no Porto contra agressões e “cultura machista”

Mais de cem mulheres manifestaram-se hoje, sob o lema “Parem de nos matar”, junto ao Tribunal da Relação no Porto, e apelaram para o fim da “violência contra as mulheres” e da “cultura machista que existe em algumas instituições”.

“É necessário que as instituições e a população em geral ouçam as mulheres. Basta de violência contra as mulheres e basta de assassinarem mulheres por conta de uma cultura machista”, frisou, em declarações à Lusa, Patrícia Martins, membro de ‘A Coletiva’, associação organizativa.

Ao protesto, que começou em frente ao Metro do Bolhão, juntaram-se mais de cem mulheres, que, munidas de tambores, martelos, apitos e utensílios de cozinha gritavam “Justiça assassina, parem de nos matar” e “Está na hora do machismo ir embora”.

Segundo Patrícia Martins, este foi um “ato simbólico”, que saiu à rua para lutar contra as desigualdades salariais entre homens e mulheres, pelo facto de “ainda serem as mulheres as responsáveis pelas tarefas domésticas” e porque acredita que tem “de haver um ponto final na violência”.

“É da competência da justiça e das instituições que representa começarem a ser mais efetivos tanto na prevenção como na intervenção das mulheres vítimas de maus tratos”, sublinhou.

Com o objetivo de “apanhar o tribunal ainda aberto”, para que os que lá trabalham “ouçam as mulheres”, os apelos continuavam debaixo do som de tambores e músicas: “Mexeu com uma, mexeu com todas”, “Em mim não bates mais” e “Muitas de nós já não estão aqui connosco, já estão mortas”.

Vasco Santos foi um dos poucos homens que se juntou ao protesto. Em declarações à Lusa afirmou que, enquanto homem, acredita que esta “não é uma luta só de mulheres”, mas sim “de todos”.

“Não podemos ficar á parte, nem de fora. Aliás, nós temos é de sair do papel de agressor e passar a estar do lado do agredido, para que isto acabe. Não pode continuar assim”, salientou, acrescentando que a escolha do local do protesto não foi “ao acaso”.

“Este tribunal (Tribunal da Relação do Porto) é useiro e vezeiro em ter sentenças deste género sobre problemas de machismo. É preciso mudar. Este tribunal passou a ser sinal do machismo e do sistema patriarcal em que vivemos”, frisou.

Já Sofia Fonseca, de 20 anos, e estudante de artes, juntou-se ao protesto porque acredita que é necessário as mulheres “fazerem a propria justiça, para que a justiça seja realmente feita”.

“Estamos a olhar para um órgão de justiça, mas também machista, maioritariamente composto por homens que se baseiam na bíblia para tentar justificar um ato de violência numa mulher. É absurdo. É escabroso. Não estamos no século dezanove”, afirmou.

No Porto, foi ao som de “Bella Ciao” que esta manifestação, marcada pela associação ‘A Coletiva’ no âmbito da “grande manifestação” que se vai realizar do Dia Internacional da Mulher, 08 de março, terminou: “Que ser mulher, neste sistema, é estar viva sem viver”, gritavam em conjunto.

Num dia em que havia manifestações marcadas em várias cidades do país, cerca de duas dezenas de pessoas concentraram-se, ao final do dia, na Praça 8 de Maio, em Coimbra, para protestar contra a violência contra mulheres, sendo recordadas as dez vítimas mortais desde o início do ano (nove mulheres e uma criança), com os nomes presos a uma corda, junto à entrada da Igreja de Santa Cruz.

Junto aos nomes, foram sendo presas mensagens deixadas por pessoas que passaram pela concentração, onde se podia ler: “Não fazer nada é ser cúmplice deste crime!”, “Ensinem os homens a respeitar! Não as mulheres a temer!” ou “Amar é respeitar”.

Durante a concentração, jovens de um ‘stand’ de automóveis começaram a distribuir flores pelas mulheres presentes, por ocasião do Dia dos Namorados, o que levou a uma altercação com uma das participantes, que lhes retirou as flores e começou a distribuir pelos homens presentes, atirando as restantes para a fonte da praça, protestando contra o gesto dos jovens, no meio de um evento que procurava assinalar a violência de género.

Para Beatriz Santana, da secção de Coimbra da União de Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR), o problema da violência de género é tanto cultural como das instituições.

“A cultura depende do que as instituições praticam e vice-versa. Podemos ir desde os ditados populares, que é uma questão cultural, até aos casos mal julgados nos tribunais às más práticas policiais ou à violência contra as mulheres nas instituições. São duas coisas que se relacionam sempre”, vincou.

SPYC/JYGA // HB

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS