Linha SOS Voz Amiga em risco de acabar

Linha SOS Voz Amiga em risco de acabar

A linha SOS Voz Amiga está em risco de acabar porque tem de abandonar as instalações até ao final do ano e não tem capacidade financeira para arrendar um novo espaço em Lisboa, revelou o presidente do serviço.

A SOS Voz Amiga, a primeira linha telefónica em Portugal de prevenção do suicídio e de apoio a situações de sofrimento causadas pela solidão, ansiedade, depressão, foi criada a 09 de outubro de 1978, tendo atendido desde então 260 mil chamadas, situando-se nos últimos anos numa média de quatro mil chamadas anuais.

“Festejar 40 anos com esta iminência de fechar o serviço não é fácil”, afirmou em entrevista à agência Lusa o presidente da Linha SOS Voz Amiga, Francisco Paulino, explicando que o orçamento do serviço não permite arrendar um espaço em Lisboa.

A SOS Voz Amiga funcionou num “local ótimo durante mais de 30 anos” onde pagava uma renda simbólica. Quando a renda subiu para “valores incomportáveis” teve de abandonar as instalações e foi acolhida na Fundação São João de Deus.

“É neste espaço que estamos a enfrentar um problema que ultrapassa os responsáveis da Fundação, porque eles não são os proprietários, são apenas os concessionários”, contou Francisco Paulino, adiantando que estão “na contingência de ter de abandonar as instalações até ao final do ano”.

Sem apoios financeiros do Estado desde 2007 e com “o magro orçamento” do serviço, que vive das quotas dos sócios, de donativos e da consignação de 0,5% do IRS por parte dos contribuintes, é difícil encontrar uma alternativa.

“Dezembro está à porta e nós não temos uma solução”, porque “o tipo de rendas que se pratica em Lisboa não nos permite alugar este ou aquele espaço. Seria fácil, há muito espaço para alugar, nós é que não podemos”, lamentou Francisco Paulino.

Para tentar ultrapassar o problema, os responsáveis pela Linha já “bateram a muitas portas”, tendo inclusive enviado um pedido ao primeiro-ministro, António Costa, no sentido de disponibilizar um espaço onde a Linha possa “condignamente continuar com a tarefa de ajuda à população”, que foi encaminhado para os ministérios da Saúde e da Segurança Social.

“O pedido foi enviado há cerca de três meses e estamos à espera. Todos sabemos que têm um país para governar, mas nós, os voluntários, e as pessoas que ligam para cá também pertencem a este país, e acho que merecíamos um pouco mais de atenção porque este serviço é fundamental”, sendo reconhecido pelo Plano Nacional de Prevenção do Suicídio, salientou.

Nas vésperas de assinalar o aniversário do serviço, Francisco Paulino deixou um apelo: “Se alguém tiver um espaço que nos possa disponibilizar estará a fazer uma boa ação. Não é para nós, é para toda a população que precisa de ajuda e que nos procura há 40 anos”.

“O que pedimos é que seja um sítio com fácil acesso de transportes”, porque a maior parte dos voluntários utiliza este meio para se deslocar e atendendo ao horário dos turnos aos turnos que fazem, terminando quase sempre para além da meia-noite, ajudava bastante ser um sítio central, até por uma questão de segurança, acrescentou o presidente da Linha SOS Voz Amiga.

HN // PMC

By Impala News / Lusa


RELACIONADOS

Linha SOS Voz Amiga em risco de acabar

A linha SOS Voz Amiga está em risco de acabar porque tem de abandonar as instalações até ao final do ano e não tem capacidade financeira para arrendar um novo espaço em Lisboa, revelou o presidente do serviço.