Irão anuncia que produz mais urânio enriquecido do que em 2015

O presidente iraniano, Hassan Rohani, disse hoje que o Irão está a enriquecer diariamente mais urânio do que antes do tratado internacional de 2015 sobre energia nuclear.

Irão anuncia que produz mais urânio enriquecido do que em 2015

Irão anuncia que produz mais urânio enriquecido do que em 2015

O presidente iraniano, Hassan Rohani, disse hoje que o Irão está a enriquecer diariamente mais urânio do que antes do tratado internacional de 2015 sobre energia nuclear.

“Estamos a enriquecer mais urânio do que antes do acordo”, disse o chefe de Estado do Irão durante um discurso em que sublinhou que o país “está a progredir”, apesar das pressões internacionais.

Por outro lado, e tendo em conta o agravamento das relações entre Washington e Teerão, o presidente iraniano declarou que o Irão “trabalha diariamente para impedir a guerra”.

“O governo trabalha diariamente para impedir um confronto militar ou a guerra”, disse o chefe de Estado iraniano, acrescentando que o diálogo entre o Irão “e o mundo” é difícil, mas não é impossível.

O Plano de Ação Conjunto Global é um acordo firmado a 14 de julho de 2015, em Viena, pelo Irão e pelos países com assento no Conselho de Segurança da ONU (Estados Unidos, Rússia, China, França e Reino Unido), mais a Alemanha, visando restringir a capacidade do Irão para desenvolver armas nucleares.

O pacto estipula que o Irão não pode ultrapassar o armazenamento de 300 quilogramas de urânio com um nível de enriquecimento de 3,67% e limita o número de centrifugadoras (utilizadas para enriquecer urânio) de que o Irão pode dispor a 6.104, contra 20.000 que tinha antes da aplicação do pacto.

O acordo permitiu o levantamento de parte das sanções internacionais ao país em troca do compromisso de Teerão de que o seu programa nuclear tem fins pacíficos.

Em maio de 2018, Donald Trump anunciou que os Estados Unidos se retiravam do acordo e voltavam a aplicar sanções ao Irão.

No início deste mês, o Irão anunciou que iria deixar de cumprir os compromissos relativos ao tratado nuclear assinado em 2015, deixando de respeitar os limites relativamente ao enriquecimento e armazenamento de urânio.

França, Alemanha e Reino Unido acionaram esta semana um mecanismo de resolução de disputas para forçar o Irão a cumprir os compromissos assumidos no acordo nuclear assinado em 2015, num processo que será supervisionado pela União Europeia (UE).

O Irão vive tempos agitados depois de o seu principal general, Qassem Soleimani, ter sido morto pelos Estados Unidos no Iraque, no início do mês.

A República Islâmica retaliou, lançando mísseis contra bases com soldados norte-americanos no Iraque, após o que um míssil iraniano atingiu um avião comercial ucraniano que acabava de descolar do aeroporto de Teerão, matando os seus 176 ocupantes, a maioria iranianos e canadianos.

PSP (ANE/PMC) // FPA

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS