Vinga-se de ex-namorada ao torturar e matar o gato dela

Ivan colocou o gato num ciclo de lavagem na máquina da roupa. Animal não sobreviveu às temperaturas às rotações e elevadas da água.

Vinga-se de ex-namorada ao torturar e matar o gato dela

Ivan colocou o gato num ciclo de lavagem na máquina da roupa. Animal não sobreviveu às temperaturas às rotações e elevadas da água.

Ivan Vasilev, de 37 anos, torturou e matou o gato da ex-namorada de forma a vingar-se. O homem, de nacionalidade russa, filmou a tortura até à morte do animal e enviou o vídeo à ex-namorada depois de uma discussão que ditou o fim da relação. «Laveio-o, mas ainda está vivo. Voltas para casa?», ameaçou Ivan. Esta foi uma tentativa desesperada para que a ex-namorada voltasse para casa e não o fez apenas uma primeira vez. Depois de um ciclo de lavagem, o gato, com o nome Ryzhik, sobreviveu e foi então que o homem decidiu manter o gato na máquina e fazer outro ciclo de lavagem .

LEIA DEPOIS
«Tive dois bebés mortos dentro de mim durante duas semanas»

Gato sujeito a meia hora dentro da máquina a 800 rotações por minuto

Nesse segundo ciclo, o gato foi sujeito a 30 minutos dentro da máquina a 800 rotações por minuto. Ryzhik acabou por morrer com os ossos esmagados. A ex-namorada voltou para sua casa em Ukhta, no extremo norte da Rússia, com vários policias. A mulher perturbada, com 24 anos, pegou nos sues pertences e partiu de vez. Ivan foi detido e culpado «de atos loucos » contra um animal, mas foi poupado de prisão. Inicialmente negou que era responsável pela morte do gato, dizendo à polícia: «É mais fácil para mim matar um homem do que um animal. Eu amei este gato. Ele dormiu comigo, deitado no meu peito, com as patas esticadas».

Confessou ter matado o animal, alegando ter bebido quatro garrafas de vodka

Mais tarde, confessou ter matado o animal de estimação, alegando que tinha bebido quatro garrafas de vodka antes de seu ato. Ele foi condenado por um juiz a liberdade condicional de um ano, o que significa que ele não pode deixar sua cidade natal, e está sujeito a um toque de recolher e a uma proibição de ir a certos lugares públicos.

LEIA MAIS
Previsão do tempo para sábado, 15 de junho
Mulher adúltera apresenta queixa contra hotel por ser «responsável» pelo seu divórcio
Carro afunda-se num lago com família no interior [vídeo]

Impala Instagram


RELACIONADOS