Guterres apela à “expansão e diversificação” de vias de migração seguras

O secretário-geral da Organização Nações Unidas, António Guterres, apelou à “expansão e diversificação” de vias de migração seguras e a “um maior apoio internacional” para garantir que migrar é “uma escolha, não uma necessidade”, noticia hoje a Europa Press.

Guterres apela à

Guterres apela à “expansão e diversificação” de vias de migração seguras

O secretário-geral da Organização Nações Unidas, António Guterres, apelou à “expansão e diversificação” de vias de migração seguras e a “um maior apoio internacional” para garantir que migrar é “uma escolha, não uma necessidade”, noticia hoje a Europa Press.

Em 18 de dezembro, a ONU comemora o Dia Internacional do Migrante, assinalando que menos 51.000 pessoas morreram durante os últimos oito anos enquanto atravessavam rotas migratórias.

Segundo revela aquela agência de notícias espanhola, em 2020, mais de 281 milhões de pessoas eram migrantes internacionais, enquanto mais de 59 milhões de pessoas viviam como deslocados internos no final de 2021.

“A migração é um poderoso agente de crescimento económico, dinamismo e compreensão. No entanto, quando não está regulamentado, quando ocorre através de rotas mais perigosas, o reino cruel dos traficantes, o pedágio é terrível”, lamentou o Secretário-Geral da ONU António Guterres, citado pela Europa Press.

A ONU lembrou também milhares de pessoas desaparecidas em terra e no mar, cada uma delas “uma irmã, um irmão, uma criança, uma mãe ou um pai” e lançou um apelo pelo respeito dos direitos humanos “sem qualquer discriminação sobre as condições da sua deslocação, quer forçada, voluntária ou autorizada”.

De acordo com a ONU, os migrantes provaram ser uma fonte de prosperidade, inovação e desenvolvimento sustentável para os países de origem, trânsito e países de acolhimento.

“A sua contribuição financeira proporciona uma linha de vida às famílias e estimula os mercados locais, especialmente os dos países de baixo e médio rendimento, enquanto o seu papel no mercado de trabalho não tem preço, como é evidente na linha da frente da resposta à pandemia”, cita a Europa Press.

Também neste Dia do Migrante, a Organização Não Governamental Plan International revelou que mais de 100 milhões de pessoas são deslocadas à força das suas casas em todo o mundo e que quase 40% são crianças vítimas de conflitos e violência.

“A migração e a deslocação forçada têm um impacto em termos de género, com as mulheres e raparigas a aumentarem o seu papel no lar em detrimento da sua educação, bem como a terem maiores problemas de acesso a alimentos, água, latrinas, produtos de higiene e cuidados de saúde reprodutiva”, aponta aquela ONG numa declaração citada pela Europa Press.

Este ano, aponta a Plan Internacional, as crianças não acompanhadas e separadas aumentaram 81% em relação ao ano anterior e 857.000 pessoas foram deslocadas à força.

“As crianças e jovens refugiados e migrantes enfrentam riscos acrescidos de violência, exploração e negligência. As raparigas enfrentam discriminação com base na sua idade e género, e estão expostas a graves perigos como resultado de abuso sexual e violência baseada no género, casamento infantil e gravidezes adolescentes e indesejadas”, advertiu a diretora-geral do Plan International, Concepcion Lopez.

No futuro, prevê a Plan International, a emergência climática também condicionará os movimentos migratórios globais.

“O Banco Mundial estima que, até 2050, os impactos climáticos poderão forçar o deslocamento interno de 143 milhões de pessoas na África Subsaariana, Ásia do Sul e América Latina. Só em África, os migrantes relacionados com a seca poderiam aumentar em 22 milhões até 2059”, referiu a Plan Internacional.

Aquela ONG recordou também a seca que afeta o Corno de África e que o alerta vermelho de fome continua ativo em oito países prioritários, incluindo a Somália.

Níveis sem precedentes de insegurança alimentar também afetam o Quénia, o Sudão do Sul e a Etiópia, sendo que neste último 4,5 milhões de pessoas foram deslocadas pelo conflito e pela seca, o que já afetou a subsistência de oito milhões de pessoas.

JCR // VM

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS