Guterres alerta para “grande crise” na Etiópia e pede acesso humanitário “sem entraves”

O secretário-geral da ONU, António Guterres, alertou que a Etiópia atravessa uma “enorme crise humanitária” e pediu ao Governo local o acesso “sem entraves” para a ajuda internacional.

Guterres alerta para

Guterres alerta para “grande crise” na Etiópia e pede acesso humanitário “sem entraves”

O secretário-geral da ONU, António Guterres, alertou que a Etiópia atravessa uma “enorme crise humanitária” e pediu ao Governo local o acesso “sem entraves” para a ajuda internacional.

Nova Iorque, 06 out 2021 (Lusa) — O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, alertou na quarta-feira que a Etiópia atravessa uma “enorme crise humanitária” e pediu ao Governo local o acesso “sem entraves” para a ajuda internacional.

“O país enfrenta uma enorme crise humanitária que exige atenção imediata”, apontou o diplomata português, citado pela agência AFP, durante uma sessão de emergência do Conselho de Segurança da ONU.

António Guterres destacou também que a expulsão daquele país na semana passada pelo Governo etíope de sete funcionários da ONU, a maioria trabalhadores humanitários, é “particularmente importante” neste momento.

Depois desta “expulsão sem precedentes, apelo às autoridades etíopes para que nos permitam entregar ajuda humanitária sem entraves e que facilitem o nosso trabalho com a urgência que esta situação exige”, acrescentou.

“Esta expulsão sem precedentes deve ser motivo de profunda preocupação para todos nós, porque toca o cerne das relações entre as Nações Unidas e os estados-membros”, insistiu António Guterres.

O diplomata frisou ainda que “não foram respeitados” os procedimentos que devem ser seguidos caso haja um problema com o comportamento de um funcionário das Nações Unidas em determinado país.

E salientou que a ONU considerou ilegal declarar os sete funcionários em causa ‘persona non grata’ e contrário à Carta das Nações Unidas.

De forma a facilitar a ajuda humanitária, Guterres referiu que os vistos devem ser concedidos rapidamente à ONU e seus funcionários, lembrando que isso “significa também que os seus colaboradores são tratados com dignidade e respeito dentro do país no desempenho do seu trabalho fundamental”.

“Qualquer nova escalada do conflito só tornaria a situação mais trágica”, alertou ainda, indicando que 400 mil pessoas estão em situação de fome em Tigray e que a ONU ainda não tem acesso total a estas.

Guterres salientou que há também necessidades humanitárias nas províncias de Amhara e Afar e que o único corredor para chegar a Tigray está em Afar “onde o movimento é severamente limitado por postos de controlo oficiais e não oficiais, insegurança e outros obstáculos e desafios”.

Em 01 de junho, o Programa Alimentar Mundial advertiu que um total de 5,2 milhões de pessoas, mais de 90% da população de Tigray, necessita de assistência alimentar de forma urgente devido ao conflito.

De acordo com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), mais de 100.000 crianças poderão sofrer de desnutrição aguda potencialmente mortal durante os próximos 12 meses — 10 vezes a média anual.

 

 

DYMC (JYO) //RBF

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS