Governo moçambicano diz ter reposto subsídios que estiveram na origem de contestação

O vice-ministro da Administração Estatal e Função Pública de Moçambique, Inocêncio Impissa, disse que o Governo já repôs os valores de subsídios que tinha retirado no âmbito da Tabela Salarial Única (TSU), provocando descontentamento nos trabalhadores do Estado.

Governo moçambicano diz ter reposto subsídios que estiveram na origem de contestação

Governo moçambicano diz ter reposto subsídios que estiveram na origem de contestação

O vice-ministro da Administração Estatal e Função Pública de Moçambique, Inocêncio Impissa, disse que o Governo já repôs os valores de subsídios que tinha retirado no âmbito da Tabela Salarial Única (TSU), provocando descontentamento nos trabalhadores do Estado.

“Para estas classes que reivindicavam esta abordagem [de reintrodução dos subsídios], foi fixado o quantitativo nominal, ou seja, aquilo que recebiam quando se aplicava o percentual da tabela salarial antiga”, afirmou Impissa, citado hoje pelo Notícias, o principal diário moçambicano.

Aquele responsável avançou que o Governo também encontrou uma solução para a redução do fosso salarial entre dirigentes e subordinados, que também está na origem da contestação contra a Tabela Salarial Única.

“Tínhamos situações em que um certo diretor de uma escola recebia três vezes mais do que um professor”, exemplificou.

A implementação da TSU está a ser alvo de forte contestação por parte de várias classes profissionais, nomeadamente médicos, juízes e professores.

Grupos de professores ameaçaram boicotar exames e a Associação Médica de Moçambique remarcou para 05 de dezembro uma greve nacional, dependente da resposta a várias reivindicações.

Por seu turno, a Associação Moçambicana de Juízes (AMJ) ameaçou impugnar o novo modelo salarial, considerando que o instrumento “põe em causa o estatuto constitucional dos juízes”.

PMA // SB

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS