Governador da província angolana do Cuanza Sul exonera cinco membros do seu gabinete

O governador do Cuanza Sul, Job Capapinha, exonerou cinco elementos do quadro temporário do seu gabinete numa altura em que decorre uma investigação da Procuradoria-Geral da República (PGR) relativa a alegados atos de gestão danosa.

Governador da província angolana do Cuanza Sul exonera cinco membros do seu gabinete

Governador da província angolana do Cuanza Sul exonera cinco membros do seu gabinete

O governador do Cuanza Sul, Job Capapinha, exonerou cinco elementos do quadro temporário do seu gabinete numa altura em que decorre uma investigação da Procuradoria-Geral da República (PGR) relativa a alegados atos de gestão danosa.

Numa nota datada de terça-feira, a que a Lusa teve hoje acesso, o governo da província dá a conhecer que foram exonerados o diretor do gabinete do governador, Gildo Ferreira, o seu diretor adjunto, Bernardino Lopes, os assessores do governador, Quintas Majana e Manuel Santana, bem como a secretária do seu gabinete, Odete Manuel.

A nota não detalha os motivos das exonerações.

O governo do Cuanza Sul tem estado na mira da justiça angolana após denúncias surgidas nas redes sociais, tendo sido já abertos dois inquéritos “que correm os trâmites legais e estão na fase conclusiva”, declarou na quarta-feira o porta-voz da PGR, Álvaro João.

“Se se determinar que houve algum dano ao património publico, os autores serão responsabilizados criminalmente”, salientou o responsável, prometendo mais desenvolvimentos nos próximos dias.

No domingo, o inspetor-geral das Finanças do Cuanza Sul, Rodrigues Eduardo, que iria prestar declarações no âmbito do processo que envolve o governador daquela província, Job Capapinha, foi assassinado em Luanda com um tiro à queima-roupa, segundo o Novo Jornal.

A PGR no Cuanza Sul confirmou, recentemente, ter instaurado um inquérito sobre a suposta sobrefaturação no aluguer de duas viaturas para os vice-governadores provinciais, avaliadas em mais de 191 mil kwanzas (295 euros) por dia, para um período de um ano.

Segundo fontes da PGR, citadas pelo Novo Jornal, o contrato foi assinado Job Capapinha, e por uma empresa constituída em dezembro de 2018, propriedade de um mauritano, para aluguer de viaturas.

Em meados de maio, o secretário provincial da UNITA no Cuanza Sul, Armando Kakepa, pediu a exoneração imediata do governador devido ao que considerou ser “um escândalo vergonhoso”, aludindo às dificuldades financeiras que o país vive.

 

RCR // VM

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS