Festival DocLisboa começa hoje com regresso do público aos cinemas

O festival DocLisboa regressa hoje ao formato em sala de cinema, com mais de duzentos filmes e o desejo da direção de “uma experiência absolutamente coletiva” com o público.

Festival DocLisboa começa hoje com regresso do público aos cinemas

Festival DocLisboa começa hoje com regresso do público aos cinemas

O festival DocLisboa regressa hoje ao formato em sala de cinema, com mais de duzentos filmes e o desejo da direção de “uma experiência absolutamente coletiva” com o público.

Depois de uma edição condicionada pela pandemia, o DocLisboa desdobra-se este ano em várias salas, obrigando o espectador a fazer percursos dentro da programação proposta, entre retrospetivas, competições e estreias mundiais ao longo de 11 dias.

Entre os filmes portugueses selecionados está, por exemplo, “Alcindo”, filme do antropólogo Miguel Dores sobre racismo em Portugal, a partir da história do homicídio de Alcindo Monteiro, português de origem cabo-verdiana, vítima de ódio racial em 1995.

André Valentim Almeida percorreu França ao encontro de clubes de futebol amador de origem portuguesa, e fez o filme “Famille FC”, enquanto Tiago Afonso acompanhou as mudanças sociais em vários bairros do Porto, entre 2007 e 2020, para o documentário “Distopia”.

Edgar Pêra estreará “Kinorama – Beyond the walls of the real”, em 3D, enquanto Pedro Figueiredo Neto e Ricardo Falcão mostrarão “Yoon”, que segue um transportador senegalês de viagem entre Portugal e o Senegal.

Destaque ainda para a exibição de “Eunice ou carta a uma jovem atriz”, de Tiago Durão, sobre Eunice Muñoz, “Ninguém fica para traz”, de Nuno Pires Pereira (dar o lugar da preposição ao verbo trazer é propositado), sobre a associação União Audiovisual, e de “Jamaika”, de José Sarmento Matos, sobre a vida do bairro da Jamaica (Setúbal).

O DocLisboa abrirá hoje com “Landscapes of resistance”, da realizadora sérvia Marta Popivoda, sobre uma das primeiras mulheres a integrar a resistência jugoslava anti-nazismo, na II Guerra Mundial.

Na sessão de abertura será também exibida a curta-metragem “A Terra segue azul quando saio do trabalho”, do realizador brasileiro Sérgio Silva, ex-programador da Cinemateca Brasileira.

No DocLisboa será possível ver, entre outros, “Jane by Charlotte”, da atriz Charlotte Gainsbourg, sobre a relação com a mãe, Jane Birkin; “Uprising”, de Steve McQueen e James Rogan, “The story of looking”, de Mark Cousins, e “Roadrunner: A film about Anthony Bourdain”, de Morgan Neville.

O encerramento do DocLisboa, no dia 31, será com “The tale of king crab”, estreado este ano em Cannes, assinado por Alessio Rigo de Righi e Matteo Zoppis.

O DocLisboa decorrerá na Culturgest, Cinema são Jorge, Cinemateca Portuguesa, Cinema Ideal, Cinema City Campo Pequeno, Museu do Oriente e Museu do Aljube.

SS // MAG

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS