Ex-PR guineense José Mário Vaz lidera missão da União Africana às eleições na Guiné Equatorial

O ex-presidente da Guiné-Bissau José Mário Vaz vai liderar uma missão de 53 observadores da União Africana (UA) às eleições gerais na Guiné Equatorial, agendadas para o próximo dia 20, anunciou hoje a Comissão da organização.

Ex-PR guineense José Mário Vaz lidera missão da União Africana às eleições na Guiné Equatorial

Ex-PR guineense José Mário Vaz lidera missão da União Africana às eleições na Guiné Equatorial

O ex-presidente da Guiné-Bissau José Mário Vaz vai liderar uma missão de 53 observadores da União Africana (UA) às eleições gerais na Guiné Equatorial, agendadas para o próximo dia 20, anunciou hoje a Comissão da organização.

A missão de observação eleitoral de curto prazo às eleições presidenciais, legislativas e municipais — que começou a chegar a Malabo este domingo e cujo mandato termina no próximo dia 26 – é composta por membros provenientes de vários Estados-membros da UA, da Comissão de Representantes Permanentes da organização, de membros do Parlamento Pan-Africano e de organizações da sociedade civil.

A missão anunciará uma declaração preliminar sobre o processo eleitoral no dia 22 de novembro de 2022, dois dias depois das eleições. A campanha eleitoral termina na sexta-feira, dia 18.

O Presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang, no poder desde 1979, há mais tempo do que qualquer outro chefe de Estado em todo o mundo, recandidata-se a um sexto mandato de sete anos pelo Partido Democrático da Guiné Equatorial (PDGE), que nunca obteve menos de 90% dos votos em qualquer eleição até hoje.

Nas anteriores eleições presidenciais, em 2016, Teodoro Obiang foi reeleito com mais de 95% dos votos, mas a oposição e observadores internacionais acusaram o partido no poder de fraude contra a oposição.

Mais uma vez Obiang enfrenta o seu aliado crónico, Buenaventura Monsuy Asumu, líder do Partido da Coligação Social Democrata (PCSD), que se candidata pela quinta vez às presidenciais do país oferecendo ao regime uma simulação de democracia.

Pela primeira vez este ano, e não obstante o partido que dirige – Convergência para a Social Democracia (CPDS) – ter sido fundado no início da década de 90, candidata-se ainda à presidência Andrés Esono Ondo, líder do único partido da oposição legalmente ativo.

Outro partido da oposição, ilegalizado em 2018, Cidadãos pela Inovação (CI) foi alvo de uma ação das forças de segurança em 29 de setembro, e o seu líder – Gabriel Nsé Obiang – foi detido juntamente com 275 apoiantes.

Durante a operação da polícia contra o partido morreram quatro pessoas. Um dia depois da ação da polícia 135, pessoas foram libertadas. Vários testemunhos recolhidos peça agência EFE indicam que muitos detidos sofreram torturas e maus tratos.

Desde a independência de Espanha em 1968, a Guiné Equatorial é apontado pelas organizações de direitos humanos internacionais como um dos países mais corruptos e repressivos do mundo.

A Guiné Equatorial é um dos nove Estados-membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) desde 2014, mediante alguns compromissos, como a abolição da pena de morte – formalizada em setembro passado -, a introdução do português e maior abertura democrática.

APL // VM

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS