Escritor-fantasma de Sócrates paga 10 mil euros para não ser julgado

Tribunal mandou para julgamento o professor universitário Domingos Farinho, acusado de burla, abuso de poder e falsificação de documentos. No entanto, o processo poderá ser suspenso em troca do pagamento de 10 mil euros.

Escritor-fantasma de Sócrates paga 10 mil euros para não ser julgado

Escritor-fantasma de Sócrates paga 10 mil euros para não ser julgado

Tribunal mandou para julgamento o professor universitário Domingos Farinho, acusado de burla, abuso de poder e falsificação de documentos. No entanto, o processo poderá ser suspenso em troca do pagamento de 10 mil euros.

O escritor-fantasma de José Sócrates, Domingos Farinho, está obrigado pelo tribunal a devolver, no prazo de 30 dias, perto de 10 mil euros à Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa para não ser julgado por burla qualificada, abuso de poder e falsificação de documento. Este último em coautoria com a mulher,  Jane Kirkby.

Em causa está o facto de o professor universitário ter sido remunerado, entre janeiro e outubro de 2014, em regime de exclusividade pela instituição de ensino ao mesmo tempo que era pago, com recurso a um contrato fictício, para escrever a tese de doutoramento do curso que José Sócrates pretendia frequentar em Paris.

O processo resultou da Operação Marquês, em que o antigo governante foi enviado para julgamento pelos crimes de branqueamento de capitais e de falsificação de documento. Dois referem-se precisamente ao dinheiro que o antigo primeiro ministro terá feito chegar à esfera de Farinho, entre outros. A referida tese não chegou a ser escrita.

Juíza considera que suspensão é «suficiente»

A suspensão do processo, mediante a devolução de 9873 euros à Faculdade em questão, foi determinada esta semana, após o Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa ter considerado que a acusação do Ministério Público contra este e a sua mulher poderia seguir para julgamento. Tal como dá conta o JN, a juíza defende que ficou “fortementeindiciado que o docente conseguiu, “por meio de erro ou engano sobre factos que astuciosamente provocou”, que a FDUL o remunerasse em excesso.

A magistrada prossegue e aponta o recurso a um “estratagema“: contrato fictício celebrado entre uma empresa e a sua mulher “para manter a remuneração mais elevada, pela exclusividade e, em simultâneo, receber as quantidades pagas pela atividade privada”. Não obstante, a juíza considerou que a suspensão do processo nos termos aceites por todos os intervenientes é “suficiente” para “satisfazer as necessidades de prevenção”.

LEIA AINDA
Jogador do Gabão afirma que nasceu 4 anos após a morte da mãe
Jogador do Gabão afirma que nasceu 4 anos após morte da mãe
Guélor Kanga está a ser acusado de falsificação de identidade pela Federação Congolesa de Futebol. Seleção do Gabão pode mesmo ser banida da próxima edição da CAN, que se realizará em 2022, nos Camarões.

Impala Instagram


RELACIONADOS