EDP Distribuição constituída arguida no processo do fogo de Monchique de 2018

A EDP Distribuição e um colaborador foram constituídos arguidos no âmbito do processo relativo ao incêndio de 2018 em Monchique, no Algarve.

EDP Distribuição constituída arguida no processo do fogo de Monchique de 2018

EDP Distribuição constituída arguida no processo do fogo de Monchique de 2018

A EDP Distribuição e um colaborador foram constituídos arguidos no âmbito do processo relativo ao incêndio de 2018 em Monchique, no Algarve.

A EDP Distribuição e um colaborador foram constituídos arguidos no âmbito do processo relativo ao incêndio de 2018 em Monchique, no Algarve, anunciou hoje a empresa, manifestando-se convicta de que o fogo não teve origem na rede elétrica.

“Com base nas evidências disponíveis, a EDP Distribuição está convicta de que a origem do incêndio não esteve na rede elétrica, tendo em conta que o ponto de ignição, identificado pela Autoridade Nacional [de Emergência e] de Proteção Civil, não tem nenhuma linha elétrica nas suas proximidades”, afirma a empresa, numa nota enviada à Lusa.

LEIA DEPOIS
Meteorologia: Previsão do tempo para esta terça-feira, 18 de fevereiro

EDP frisa que relatório “reiterava que a origem do fogo em causa era ‘desconhecida'”

Este incêndio deflagrou no dia 3 de agosto de 2018 na zona da Perna Negra, na serra de Monchique (distrito de Faro), e foi o maior registado em 2018 em Portugal e na Europa, tendo sido dominado apenas ao oitavo dia, na manhã de 10 de agosto.

Foram consumidos mais de 27.000 hectares de floresta e de terrenos agrícolas. No total, o fogo destruiu 74 casas, 30 das quais de primeira habitação.

A EDP sublinha, na mesma informação, que o relatório elaborado pelo Observatório Técnico Independente, nomeado pela Assembleia da República para análise, acompanhamento e avaliação dos incêndios florestais, “reiterava que a origem do fogo em causa era ‘desconhecida'”.

“A empresa mantém-se disponível, como até aqui, para facultar todas as informações solicitadas, de forma a auxiliar as entidades competentes na reconstituição dos factos relevantes e no apuramento das causas que conduziram a este incêndio”, acrescenta.

O incêndio provocou também danos significativos no concelho vizinho de Silves, depois de ter afetado, com menor impacto, os municípios de Portimão, no distrito de Faro, e de Odemira, no distrito de Beja.

LEIA MAIS
Coronavírus | Resultados das análises a criança internada em Lisboa deram negativo
Ministério Público abre inquérito sobre insultos a futebolista Marega

Impala Instagram


RELACIONADOS