Wall Street fecha em alta ligeira com investidores a descansarem de semana agitada

A bolsa nova-iorquina encerrou hoje em alta ligeira, com os investidores atentos aos desenvolvimentos na frente das negociações sino-norte-americanas e a digerir várias estatísticas sobre a economia dos EUA.

Wall Street fecha em alta ligeira com investidores a descansarem de semana agitada

Wall Street fecha em alta ligeira com investidores a descansarem de semana agitada

A bolsa nova-iorquina encerrou hoje em alta ligeira, com os investidores atentos aos desenvolvimentos na frente das negociações sino-norte-americanas e a digerir várias estatísticas sobre a economia dos EUA.

Os resultados definitivos da sessão indicam que o índice seletivo Dow Jones Industrial Average valorizou 0,10%, para os 27.677,79 pontos.

O tecnológico Nasdaq avançou 0,05%, para as 8.570,70 unidades, e o alargado S&P500 valorizou 0,15%, para as 3.117,43.

“O caminho tem sido muito irregular esta semana, com dois dias de baixas importantes [na segunda e terça-feira] e um de forte alta [quarta-feira]. A pouca ação de hoje foi, a bem dizer, um sinal de alívio”, realçou Art Hogan, da National.

Os investidores foram reagindo desde o início da semana à evolução do interminável folhetim das negociações comerciais entre EUA e China, com os dirigentes dos dois governos a darem sinais contraditórios sobre o desenrolar das conversações.

Na terça-feira, Donald Trump tinha dado a entender que um acordo comercial preliminar com a China poderia ser alcançado depois da eleição presidencial nos EUA em 2020.

Mas hoje, Trump garantiu que as negociações avançavam e que “pode acontecer alguma coisa em 15 de dezembro”, dia a partir do qual devem entrar em vigor as novas taxas alfandegárias sobre importações provenientes da China.

Por seu lado, o porta-voz do Ministério do Comércio chinês considerou que as duas partes continuavam em “contacto estreito” para procurar chegar a acordo.

Por outro lado, os investidores tentaram interpretar vários indicadores económicos dos EUA divulgados hoje.

O défice comercial norte-americano caiu em outubro para o nível mais baixo desde maio de 2018, segundo os dados do Departamento do Comércio.

Afetadas pelas fricções comerciais persistentes com a China, as importações baixaram 1,7%, para os 254,3 mil milhões de dólares (29 mil milhões de euros), muito acima das exportações, que desceram 0,2%, para 207,1 mil milhões.

Por seu lado, as inscrições para o subsídio de desemprego caíram para o mínimo de sete meses, conforme os dados semanais do Departamento do Trabalho.

Na sexta-feira, os investidores vão observar com interesse a informação relativa ao emprego e à taxa de desemprego relativa a novembro.

RN // JNM

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS