Wall Street fecha em alta e com recordes de Nasdaq e S&P500

A bolsa nova-iorquina encerrou hoje em alta pela terceira sessão consecutiva, e com novos recordes, com os investidores menos inquietos perante a epidemia viral chinesa e depois de conhecidas estatísticas positivas sobre o emprego nos EUA.

Wall Street fecha em alta e com recordes de Nasdaq e S&P500

Wall Street fecha em alta e com recordes de Nasdaq e S&P500

A bolsa nova-iorquina encerrou hoje em alta pela terceira sessão consecutiva, e com novos recordes, com os investidores menos inquietos perante a epidemia viral chinesa e depois de conhecidas estatísticas positivas sobre o emprego nos EUA.

Os resultados definitivos da sessão indicam que o tecnológico Nasdaq valorizou 0,43%, para os 9.508,68 pontos, e o alargado S&P500, que avançou 1,13%, para as 3.334,69 unidades, fecharam em níveis inéditos.

Por seu lado, o Dow Jones Industrial Average progrediu 1,68%, para os 29.290,85 pontos.

Apesar da persistência das incertezas em torno do novo coronavírus chinês, cujo balanço de vítimas mortais se aproxima dos 500, os investidores não demonstraram hoje nervosismo com um ambiente de pânico.

Mas as autoridades chinesas disseram que receiam não ter camas de hospital suficientes nem material bastante para tratarem os doentes, cujo número continua a crescer.

Acresce que mais empresas, como Adidas e Nike, anunciaram o encerramento de unidades na China.

Contudo, as ações de grupos particularmente afetados quando o vírus começou a espalhar-se continuaram a recuperar, à semelhança das transportadoras aéreas Delta Airlines (+1,66%) e American Airlines (+2,36%), bem como das empresas de cruzeiros Carnival (+1,33%) e Norwegian Cruise Line (+0,66%).

Segundo Lilian Currens, da Schaeffer, “rumores segundo os quais um tratamento para o coronavírus estava em vias de ser encontrado” também apoiaram as cotações bolsistas.

Os investidores em Wall Street também foram tranquilizados pelos números do inquérito mensal da firma de prestação de serviços a empresas ADP, que mostraram que o setor privado criou 291 mil empregos nos EUA, em janeiro, uma quantidade não vista desde há cinco anos e acima do esperado.

Estas estatísticas são consideradas de bom augúrio antes do relatório oficial sobre o mercado de trabalho esperado para sexta-feira.

RN // SR

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS