Valor médio por transação nos centros comerciais aumenta 9,2% face a 2019

Os centros comerciais registaram no primeiro mês de desconfinamento menor afluência do que no mesmo período de 2019, mas cada cliente gastou em média mais 12,5%, o que justifica o aumento homólogo da faturação, informou hoje a APCC.

Valor médio por transação nos centros comerciais aumenta 9,2% face a 2019

Valor médio por transação nos centros comerciais aumenta 9,2% face a 2019

Os centros comerciais registaram no primeiro mês de desconfinamento menor afluência do que no mesmo período de 2019, mas cada cliente gastou em média mais 12,5%, o que justifica o aumento homólogo da faturação, informou hoje a APCC.

“Segundo o estudo da Reduniq Insight, no período de 19 de abril a 18 de maio, o primeiro mês de abertura da maioria das lojas dos centros comerciais, mesmo considerando o impacto das restrições horárias e de lotação de pessoas no interior dos centros e das lojas, a faturação ficou acima da verificada no mesmo período em 2019”, refere a Associação Portuguesa de Centros Comerciais (APCC).

Referentes a compras realizadas com cartão, estes dados evidenciam que categorias como as Papelarias, Perfumarias, Restauração e Eletrodomésticos & Tecnologias tiveram um crescimento de faturação acima dos 20% na semana de 26 de abril a 02 de maio, face à mesma semana de 2019.

Já na semana de 10 a 16 de maio verificou-se um forte crescimento da faturação da restauração, acima dos 40% face à registada em 2019.

“Os centros comerciais acompanharam a performance geral do país na primeira de desconfinamento, mas nas semanas seguintes obtiveram uma melhor performance comparativa”, nota a APCC.

Ainda assim, a associação alerta que as restrições ainda existentes estão a “dificultar a recuperação plena do setor”, nomeadamente as limitações ao número de pessoas por metro quadrado e o encerramento obrigatório da restauração nos centros comerciais às 19:00 dos fins de semana.

A este propósito, nota que os restaurantes dos centros comerciais ficam, a partir desta hora, “sem possibilidade de realizar sequer serviço de ‘take-away’, contrariamente aos restaurantes localizados na rua”.

A APCC relembra que, desde o início da pandemia, “nunca foi detetado nenhum surto com origem nos centros comerciais, fruto das medidas e controlos implementados desde sempre e cumpridos rigorosamente por esta indústria”.

A APCC é uma associação de âmbito nacional que congrega empresas investidoras, promotoras e gestoras de centros comerciais, para além de empresas de comércio a retalho e fornecedores de serviços ao setor, representando atualmente 93 conjuntos comerciais que integram 8.600 lojas.

PD // MSF

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS