Um em cada três ‘smartphones’ vendidos em Portugal em 2019 era Huawei – empresa

O ‘country manager’ da Huawei para a área de consumo em Portugal, Cloud Shen, afirmou hoje que em 2019 um em cada três ‘smartphones’ comprados em Portugal foram Huawei, tendo “confiança” que as vendas continuarão a crescer.

Um em cada três 'smartphones' vendidos em Portugal em 2019 era Huawei - empresa

Um em cada três ‘smartphones’ vendidos em Portugal em 2019 era Huawei – empresa

O ‘country manager’ da Huawei para a área de consumo em Portugal, Cloud Shen, afirmou hoje que em 2019 um em cada três ‘smartphones’ comprados em Portugal foram Huawei, tendo “confiança” que as vendas continuarão a crescer.

“Um terço dos ‘smartphones’ vendidos em Portugal” no ano passado “eram Huawei”, adiantou o responsável, num encontro com jornalistas, em Lisboa.

A fabricante chinesa tem estado no centro de uma ‘guerra’ entre os Estados Unidos e a China, com Washington a acusar a Huawei de alegada espionagem e a pressionar os países europeus a não usar a sua tecnologia, numa altura em que muitas vezes estão a lançar o 5G.

Apesar desta situação, Cloud Shen, em declarações à Lusa, manifestou-se “confiante” que as vendas de ‘smartphones’ vão continuar a crescer em 2020.

“Vamos continuar a trazer tecnologia de topo e estou confiante” que, não só as vendas de telemóveis inteligentes vão continuar a crescer, como também as dos dispositivos conectáveis.

“Tenho boas perspetivas” para este ano, acrescentou.

Relativamente ao 5G, “vamos trazer mais” oferta nesta área e “mais rápido” do que os concorrentes, salientou.

Está previsto que o arranque do 5G aconteça em meados deste ano, de acordo com o calendário da Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom).

“Vamos ter grandes desafios” este ano e “com muita inovação”, estimou Tiago Flores, diretor de consumo da Huawei Portugal, que na apresentação adiantou que a fabricante chinesa vai continuar a “investir fortemente” em investigação e desenvolvimento e ‘software’ este ano.

Em Portugal, a marca aposta não só nos ‘smartphones’ como também vai relançar os computadores e apostar nos dispositivos conectáveis, uma área de grande crescimento com o advento do 5G, já que a tecnologia permite uma maior conectividade (Internet das Coisas).

“No 5G, como é sabido, temos uma solução desde a infraestrutura até aos terminais. Temos um portefólio de consumo muito robusto de 5G”, disse à Lusa Tiago Flores.

E a área de conectáveis – desde relógios, passando por auriculares, entre outros, que comunicam entre si sem fios – é uma área com grande potencial de crescimento.

“Estimamos que no mundo, este ano, cada pessoa usará em média seis equipamentos conectáveis” e isso “é um desafio para as marcas”, salientou, apontando que estas categorias “vão representar um negócio relevante”.

ALU // EA

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS