Trabalhadores da Ibersol em greve exigem melhores salários e condições laborais

Trabalhadores da Ibersol em greve exigem melhores salários e condições laborais

Cerca de meia centena de trabalhadores da Ibersol manifestaram-se hoje frente à sede do grupo, no Porto, contra a precariedade dos vínculos laborais e exigindo melhores salários e condições de trabalho, progressão na carreira e fim da precariedade.

Em declarações à agência Lusa, o coordenador do Sindicato da Hotelaria do Norte disse que, apesar da “abertura negocial” manifestada, a Ibersol tem vindo sucessivamente a recusar “qualquer proposta para melhorar as condições de vida e de trabalho” dos funcionários do grupo, que cumprem hoje uma greve na região norte do país.

“Marcou uma reunião para esta segunda-feira, mas recusou avançar com qualquer proposta concreta”, afirmou Francisco Figueiredo.

Em comunicado, o grupo Ibersol — que representa em Portugal as marcas Pizza Hut, Burger King, KFC, O Kilo, Pasta Caffé, Pans, Miit, entre outras cafetarias e quiosques — considerou que quer a greve, quer a ação de protesto desta manhã, “são ações de caráter extemporâneo”, já que as reivindicações feitas “são do âmbito da contratação coletiva”, devendo por isso ser discutidas “em sede própria, no seio da sua associação, a AHRESP [Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal]”.

“O sindicato não foi sensível a este argumento, não obstante ter assinado em agosto último a revisão ao contrato coletivo de trabalho pelo qual a Ibersol se rege e cumpre escrupulosamente”, sustenta, assegurando que a empresa “mantém uma postura construtiva de auscultação dos interesses dos seus colaboradores e de melhoria contínua das condições de trabalho”.

Em causa estão os salários praticados na empresa, que o sindicato diz serem “muito baixos” e com “grandes diferenças entre categorias”, sendo que “há trabalhadores que trabalham há mais de 20 anos e não são promovidos na categoria profissional nem no nível salarial”, enquanto outros “repõem valores de falhas, mas não recebem abono de falhas” ou “estão classificados e remunerados como aprendizes e estagiários, mas exercem funções próprias de categorias superiores”.

Também denunciado por Francisco Figueiredo é o valor das ajudas de custos aos distribuidores, que diz estar “desatualizado”, e a alegada “discriminação” entre os distribuidores com mota da empresa face aos que operam com mota própria, assim como o desrespeito pelos dias de descanso semanal e pelo horário de trabalho e os elevados níveis de precariedade laboral no grupo.

Na concentração que decorreu esta manhã, no Porto, os trabalhadores aprovaram uma moção com uma lista de 15 exigências, entre as quais a subida dos salários dos distribuidores e operadores, a progressão na carreira ao fim de três anos, o pagamento do abono de falhas e do trabalho suplementar, a classificação profissional e remuneração de acordo com as funções efetivamente exercidas e a igualdade de tratamento na atribuição de prémios.

Ainda reclamado é a atualização das ajudas de custo dos distribuidores, a garantia de dois dias de folga consecutivos por semana, a previsibilidade dos horários de trabalho, a alteração dos regulamentos internos para “não discriminarem trabalhadores” e a passagem a efetivos de todos os trabalhadores a termo que ocupam postos de trabalho com caráter permanente.

O grupo Ibersol registou no primeiro semestre deste ano um aumento homólogo de 12,2% do resultado líquido consolidado, para 10,9 milhões de euros, tendo o volume de negócios crescido 3,4%, para 211,3 milhões de euros, e o EBITDA consolidado progredido 3,3%, para 26,5 milhões de euros.

O grupo tem como principal acionista a ‘holding’ ATPS, de António Teixeira e António Pinto de Sousa, com 55% do capital.

PD // JNM

By Impala News / Lusa


RELACIONADOS

Trabalhadores da Ibersol em greve exigem melhores salários e condições laborais

Cerca de meia centena de trabalhadores da Ibersol manifestaram-se hoje frente à sede do grupo, no Porto, contra a precariedade dos vínculos laborais e exigindo melhores salários e condições de trabalho, progressão na carreira e fim da precariedade.