Ryanair avança com encerramento de quatro bases em Espanha

A Ryanair vai encerrar quatro bases em Espanha a partir de 08 de janeiro do próximo ano, segundo o sindicato USO, que cita um ‘email’ enviado pela responsável de recursos humanos da companhia aérea aos trabalhadores.

Ryanair avança com encerramento de quatro bases em Espanha

Ryanair avança com encerramento de quatro bases em Espanha

A Ryanair vai encerrar quatro bases em Espanha a partir de 08 de janeiro do próximo ano, segundo o sindicato USO, que cita um ‘email’ enviado pela responsável de recursos humanos da companhia aérea aos trabalhadores.

De acordo com a agência Efe, em causa estão as bases de Gran Canária, Tenerife Sur, Lanzarote e Girona, cujo encerramento implica o despedimento coletivo de 512 funcionários, revelou a estrutura sindical.

Segundo o sindicato, a decisão abrange 164 funcionários em Girona, 156 em Tenerife Sur, 110 na Gran Canária e 82 em Lanzarote.

No ‘email’, a Ryanair justifica a decisão com os atrasos na entrega de aviões e com os efeitos do ‘brexit’, bem como com a queda de lucros.

Na mensagem, a diretora de recursos humanos do grupo, Lisa McCormack, disse que a transportadora pretendia “minimizar a perda de emprego” através de “transferências”.

No dia 07 de julho, a Ryanair anunciou, em reunião com sindicatos espanhóis que representam os tripulantes, que tinha planos para encerrar as bases de Las Palmas, Tenerife Sur e Girona, segundo um comunicado das estruturas sindicais nesse dia.

Entretanto, as estruturas sindicais marcaram uma greve dos tripulantes em Espanha nos dias 1, 2, 6, 8, 13, 15, 20, 22, 27 e 29 de setembro para tentar evitar os encerramentos.

“É injustificável esta vitimização da empresa face a supostos prejuízos, quando é uma empresa com um aumento constante nos lucros”, segundo Manuel Lodeiro, do Sitclpla, citado no comunicado.

No dia 06 de julho a Lusa noticiou que a Ryanair tinha comunicado, em Faro, que iria encerrar a base naquele aeroporto em janeiro de 2020, e despedir cerca de 100 trabalhadores, embora mantenha os voos, segundo a presidente do Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC), Luciana Passo.

No dia 21 de agosto, a secretária de Estado do Turismo reuniu-se com a Ryanair, em Dublin, para debater “a competitividade” do aeroporto de Faro, nomeadamente com a manutenção da base, bem como alargar a presença da companhia aérea ao Funchal.

Em declarações à Lusa, Ana Mendes Godinho adiantou que o Governo está “a trabalhar para manter a competitividade do aeroporto de Faro, concretamente no inverno, e combater a sazonalidade, trabalhando com todas as companhias aéreas e criando as condições para que os aeroportos de Faro e do Funchal tenham capacidade de facto de manter a competitividade aérea ou até reforçar”, destacou.

A governante, que foi acompanhada na deslocação a Dublin pelo presidente do Turismo de Portugal, Luís Araújo, não deu mais novidades acerca de uma possível manutenção da base de Faro e dos 100 postos de trabalho em causa.

“Neste momento não tenho mais novidades que não sejam estas, de que estamos a avaliar a situação e com essa preocupação de manter ligações aéreas e aumentar as ligações aéreas para o Funchal e garantir a competitividade aérea de Faro no inverno”, salientou.

O SNPVAC convocou uma greve na Ryanair que começou no dia 21 e termina a 25 de agosto.

ALYN // EA

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS