PSI20 segue em baixa, com o BCP a pressionar as negociações

PSI20 segue em baixa, com o BCP a pressionar as negociações

A bolsa de Lisboa segue hoje em baixa, alinhada com a tendência das principais congéneres europeias, com as ações do BCP a pressionarem as negociações.

Pelas 09:00 (hora de Lisboa), o índice português de referência, o PSI20, seguia a recuar 0,65% para 5.170,17 pontos, com 12 ações negativas, três inalteradas (Ibersol, Ramada Investimentos e Corticeira Amorim) e três positivas.

A Mota Engil e o BCP eram as ações que mais perdiam, recuando 1,73% e 1,76% para 1,932 euros e 0,2295 euros, respetivamente.

A Jerónimo Martins seguia também a recuar 0,74% para 11,41 euros e a Sonae SGPS descia 0,06% para 0,86 euros, no dia em que arranca a Oferta Pública de Venda (OPV) da sua unidade de retalho.

A empresa, que se estreia em bolsa a 23 de outubro, terá um máximo de 25% do capital disperso.

Pela positiva, destaque para a Sonae Capital, que sobe 2,43% para 0,717 euros, seguida da EDP Renováveis e da EDP, com valorizações de 1,00% e 0,06%, para 8,61 euros e 3,187 euros.

Lisboa seguia em linha com as principais bolsas europeias estavam hoje em baixa, com os investidores a manterem-se atentos a Itália e à situação política do Brasil.

O candidato do PSL, Jair Bolsonaro, venceu as eleições presidenciais brasileiras deste domingo, com 46,7% dos votos, seguido de Fernando Haddad (PT), com 28,37%, resultado que ditou a necessidade de uma segunda volta entre os dois candidatos, já que nenhum obteve mais de 50%.

A decisão sobre o sucessor de Michel Temer como 38.º Presidente da República Federativa do Brasil fica assim adiada para 28 de outubro.

Neste domingo, 147 milhões de brasileiros foram às urnas para escolher um novo Presidente, membros do parlamento (Câmara dos Deputados e Senado), além de governadores e legisladores regionais em todo o país.

Entretanto, os investidores vão continuar atentos a Itália, depois de o Governo italiano ter reduzido a previsão do défice para o próximo triénio, inicialmente situado em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), tal como exigiam os parceiros da coligação no Governo, a Liga e especialmente o Movimento Cinco Estrelas, para 2,1% em 2020 e 1,8% em 2021.

O Governo italiano tomou esta decisão depois de ter anunciado, na semana passada, um quadro macroeconómico que estabelecia o objetivo do défice em 2,4% do PIB para os três próximos anos, que despertou a crítica da Europa e um aumento da pressão sobre os juros da dívida nos mercados nos últimos dias.

Os investidores vão estar também atentos à China, que anunciou que adotará uma política fiscal mais proativa, mas não recorrerá a um excesso de fortes políticas de estimulo.

O euro seguia em baixa para os 1,1512 dólares.

O preço do barril de petróleo Brent, para entrega em dezembro, abriu hoje em baixa no mercado de futuros de Londres, a valer 83,34 dólares, menos 0,86% face ao fecho da sessão anterior.

Na sexta-feira, o preço do barril de petróleo Brent fechou nos 84,07 dólares, menos 0,69% do que no fecho da sessão de quinta-feira.

ICO // SB

By Impala News / Lusa


RELACIONADOS

PSI20 segue em baixa, com o BCP a pressionar as negociações

A bolsa de Lisboa segue hoje em baixa, alinhada com a tendência das principais congéneres europeias, com as ações do BCP a pressionarem as negociações.