Portugal em Tribunal devido a impostos sobre veículos usados importados

A Comissão Europeia instaura uma ação contra Portugal em virtude de os veículos usados importados de outros Estados-Membros continuarem sujeitos a impostos superiores.

Portugal em Tribunal devido a impostos sobre veículos usados importados

Portugal em Tribunal devido a impostos sobre veículos usados importados

A Comissão Europeia instaura uma ação contra Portugal em virtude de os veículos usados importados de outros Estados-Membros continuarem sujeitos a impostos superiores.

A Comissão Europeia instaurou hoje uma ação contra Portugal junto do Tribunal de Justiça da UE em virtude de os veículos usados importados de outros Estados-Membros continuarem sujeitos a impostos superiores àqueles aplicados aos ‘usados’ adquiridos no mercado português.

O executivo comunitário lembra que, “ao abrigo das regras da UE, nenhum Estado-Membro pode fazer incidir, direta ou indiretamente, sobre os produtos dos outros Estados-Membros imposições internas, qualquer que seja a sua natureza, superiores às que incidam, direta ou indiretamente, sobre produtos nacionais similares”, mas Portugal continua a aplicar uma carga tributária superior aos automóveis em ‘segunda mão’ importados de outros países da União.

LEIA DEPOIS
Freira acusada de desviar 340 mil euros e de roubar mobílias, galinhas, patos e um pavão

“Portugal ainda não cumpriu as suas obrigações”

Segundo a Comissão, “a legislação portuguesa em causa não tem plenamente em conta a depreciação dos veículos importados de outros Estados-Membros” e é, por conseguinte, incompatível com o Tratado da UE.

Lembrando que o Tribunal de Justiça da União Europeia tinha já concluído, a 16 de junho de 2016, que uma versão anterior deste imposto português era contrária ao direito da UE, Bruxelas explica que a decisão de remeter esta questão para o Tribunal “decorre do facto de Portugal não ter alterado a sua legislação para a tornar conforme com o direito da UE, na sequência do parecer fundamentado da Comissão”.

Bruxelas recorda que enviou a Portugal, a 24 de janeiro de 2019, uma “carta de notificação para cumprir”, seguida, em 27 de novembro último, de um “parecer fundamentado”, a segunda e última etapa antes da apresentação de uma ação junto do Tribunal de Justiça, o que a Comissão concretizou agora “visto que Portugal ainda não cumpriu as suas obrigações”.

LEIA MAIS
Cristina Ferreira já previa bom futuro para Cláudio: «O tempo dá razão a quem merece»
Duas cartas armadilhadas provocam explosões na Holanda

Impala Instagram


RELACIONADOS