Plano Ferroviário Nacional propõe alta velocidade a servir 10 maiores cidades

O Plano Ferroviário Nacional, hoje lançado para discussão pública, prevê a linha de alta velocidade a servir as 10 maiores cidades do país, competindo com o avião e o automóvel, bem como várias ligações a Espanha.

Plano Ferroviário Nacional propõe alta velocidade a servir 10 maiores cidades

Plano Ferroviário Nacional propõe alta velocidade a servir 10 maiores cidades

O Plano Ferroviário Nacional, hoje lançado para discussão pública, prevê a linha de alta velocidade a servir as 10 maiores cidades do país, competindo com o avião e o automóvel, bem como várias ligações a Espanha.

“No final de tudo isto, nós ficaríamos com o serviço de alta velocidade a servir 10 maiores cidades do país”, afirmou o coordenador do grupo de trabalho responsável pelo Plano Ferroviário Nacional (PFN), Frederico Francisco, apresentado esta tarde no Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), em Lisboa.

O PFN prevê ainda “várias ligações a Espanha, a partir de todo o território”, apontou o responsável, competindo assim com o avião e o automóvel.

No plano, que recebeu mais de 300 contributos de participação pública, está prevista uma nova linha Évora-Elvas, que já está em curso, que permitirá criar condições para a ligação de alta velocidade Lisboa-Madrid.

Prevê ainda as linhas de alta velocidade Porto-Lisboa, Porto-Vigo e uma nova linha Aveiro-Viseu-Guarda-Vilar Formoso.

Em estudo está também a ligação de alta velocidade Lisboa – Algarve, com duas alternativas, que passam pela modernização da linha existente para reduzir a viagem em cerca de 30 minutos, ou um novo eixo que inclua Évora, Beja e Faro, com tempo de viagem Lisboa – Faro inferior a duas horas.

Relativamente ao transporte de mercadorias, estão previstos novos corredores internacionais pelo Algarve e por Trás-os-Montes e um corredor piloto para comboios de maior comprimento (1.500 metros) entre Sines e a fronteira.

A proposta de PFN hoje apresentada será agora colocada em discussão pública, regressando depois ao Conselho de Ministros, de onde sairá para discussão na Assembleia da República e só depois aprovado.

MPE // EA

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS