Pilotos dizem que TAP vai cancelar 400 voos até ao fim do ano

O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil diz que a TAP pretende cancelar mais de 400 voos, entre novembro e dezembro, acusando a companhia de culpar os profissionais por causa de licenças de parentalidade, segundo uma nota interna.

Pilotos dizem que TAP vai cancelar 400 voos até ao fim do ano

Pilotos dizem que TAP vai cancelar 400 voos até ao fim do ano

O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil diz que a TAP pretende cancelar mais de 400 voos, entre novembro e dezembro, acusando a companhia de culpar os profissionais por causa de licenças de parentalidade, segundo uma nota interna.

Na mensagem, a que a Lusa teve acesso, o SPAC disse que a TAP, “através da Comunicação Social, informou os portugueses de que está preocupada com 40 pilotos e 110 tripulantes de cabine que, de acordo com a lei, colocaram para o mês de dezembro as licenças de parentalidade”.

De acordo com a organização, “a empresa optou por despedir pilotos e tripulantes de cabine num passado recente, num processo trágico que ainda hoje se arrasta e escolheu alienar aviões que hoje tanta falta fazem”, acrescentando que a TAP “agora, ignora este facto e a escassez de pilotos e tripulantes, ignora o planeamento de voos desfasado da realidade que tem, ignora o direito consagrado na lei, transversal a todas as empresas e a todos os trabalhadores em Portugal de gozarem as suas licenças e atribui a responsabilidade colocando o ónus em 3% dos pilotos”.

“A não ser que a legislação que regula as licenças de parentalidade seja uma novidade deste ano, estamos perante uma tentativa de preparação da opinião pública para tornar plausível o cancelamento de mais de 400 voos, entre os meses de novembro e dezembro”, acusou o SPAC.

O sindicato disse que este número é “incompreensível”, referindo que “por mais que se tente justificar tantos cancelamentos com a ausência de 40 pilotos, que foram pais e mães, num universo de 1.200, nunca vão conseguir escamotear a verdade irrefutável: faltam pilotos, faltam tripulantes de cabine e faltam aviões”.

“Temos a mais sincera esperança que, na tentativa de escamotear esta realidade, não se recorra mais uma vez aos avultados gastos de capital na contratação de empresas externas (ACMI)”, disse o SPAC.

Para a estrutura sindical, “estas opções de gestão são reféns de um plano desajustado que foi incapaz de prever o futuro que todas equipas de gestão das empresas de aviação viram”, uma situação “que acarreta custos elevadíssimos para todos e causa danos graves, tanto na credibilidade da marca TAP, como na confiança dos passageiros”.

“Mais uma vez, revela-se a incapacidade e irresponsabilidade de uma gestão que não está à altura do bom nome da marca TAP”, acusou o SPAC.

  

ALYN // EA

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS