PIB britânico cai mais que esperado e afunda 10,3% este ano — Bruxelas

A Comissão Europeia piorou hoje as estimativas sobre a economia do Reino Unido, passando a prever que o Produto Interno Bruto britânico caia 10,3% este ano devido à covid-19, tendência contrária à da Europa, onde existem melhorias.

PIB britânico cai mais que esperado e afunda 10,3% este ano -- Bruxelas

PIB britânico cai mais que esperado e afunda 10,3% este ano — Bruxelas

A Comissão Europeia piorou hoje as estimativas sobre a economia do Reino Unido, passando a prever que o Produto Interno Bruto britânico caia 10,3% este ano devido à covid-19, tendência contrária à da Europa, onde existem melhorias.

Em causa estão as previsões macroeconómicas de outono do executivo comunitário, hoje divulgadas, que antecipam que a economia britânica vá afundar 10,3% este ano, pior do que esperado nas projeções do verão (9,7%) e da primavera (8,3%).

“Como consequência da pandemia de covid-19, prevê-se que o PIB do Reino Unido caia acentuadamente em 2020, impulsionado por uma grande queda na procura interna”, explica a instituição no documento publicado em Bruxelas.

Esta tendência é contrária à registada na zona euro e no conjunto da União Europeia (UE), áreas para a qual a Comissão Europeia passou a prever quedas menos acentuadas do PIB, em resultado da pandemia.

Também a recuperação deste antigo Estado-membro da UE, o Reino Unido, foi revista em baixa, passando agora a prever-se que o PIB britânico cresça 3,3% em 2021 e 2,1% em 2022.

Nas anteriores previsões económicas da instituição, do verão e da primavera, previa-se que a economia britânica crescesse 6% em 2021.

“Espera-se que a recuperação em 2021 seja moderada, assumindo nesta previsão as relações comerciais UE-Reino Unido baseadas nas regras […] da Organização Mundial do Comércio a partir do início de 2021”, argumenta o executivo comunitário, numa alusão à possibilidade os blocos britânico e comunitário não chegarem a acordo sobre a sua futura relação pós-Brexit.

De acordo com a instituição, projeta-se também que o consumo privado no Reino Unido “impulsione a maior parte da recuperação em 2021”, devendo, porém, o investimento por parte das empresas “demorar mais tempo a recuperar devido aos efeitos a longo prazo da pandemia e à necessidade de adaptação às novas relações comerciais com a UE, significativamente menos benéficas”.

Numa altura de incerteza por causa destas negociações comerciais, mas também impactada pela pandemia de covid-19, que está a ter um novo pico na Europa, Bruxelas estima que o desemprego no Reino Unido suba 5% este ano, devendo depois aumentar para os 7,3% em 2021 e para os 6,2% em 2022.

Já o défice britânico deverá ser de 13,4% este ano, de 9% em 2021 e de 7,6% em 2022, segundo estas estimativas comunitárias.

“Prevê-se que o défice das administrações públicas [do Reino Unido] aumente no corrente ano fiscal acima dos níveis observados na crise financeira global”, em 2008, aponta a Comissão Europeia.

Por seu lado, a taxa de inflação dos preços ao consumidor deverá ser 0,9% este ano e subir para 2,3% em 2021 e 2,9% em 2022.

Estas previsões macroeconómicas de outono da Comissão Europeia surgem em altura de segunda vaga de covid-19, com a economia a ser impactada pelo agravamento da situação sanitária.

ANE // MSF

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS