Parceiros internacionais acreditam nos atuais dirigentes da Guiné-Bissau

O ministro das Finanças da Guiné-Bissau, Ilídio Vieira Té, defendeu hoje que os parceiros internacionais “acreditam muito” nos atuais dirigentes do país, o que se prova com os apoios financeiros já recebidos e prometidos para 2023.

Parceiros internacionais acreditam nos atuais dirigentes da Guiné-Bissau

Parceiros internacionais acreditam nos atuais dirigentes da Guiné-Bissau

O ministro das Finanças da Guiné-Bissau, Ilídio Vieira Té, defendeu hoje que os parceiros internacionais “acreditam muito” nos atuais dirigentes do país, o que se prova com os apoios financeiros já recebidos e prometidos para 2023.

O governante falava aos jornalistas quando procedia ao balanço do desempenho macroeconómico da Guiné-Bissau em 2022 que disse ser “muito positivo”.

“Vamos dizer que o balanço do desempenho macroeconómico do país é muito positivo tendo em conta a conjuntura global devido à guerra da Rússia e Ucrânia e também o impacto da covid-19” declarou Vieira Té.

O ministro das Finanças sublinhou que embora seja um país economicamente frágil, a Guiné-Bissau conseguiu honrar todos os seus compromissos internos e externos em 2022 o que permitiu retomar o acordo de acompanhamento do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Ilídio Vieira Té assinalou que há seis anos que a Guiné-Bissau não tinha um acordo com o FMI, facto que disse ter permitido que o Governo recebesse “de forma imediata” apoios orçamentais de países como Portugal e França.

“Desde 1998 que a França não apoiava financeiramente a Guiné-Bissau”, notou o governante guineense, destacando ainda os apoios do Banco Europeu de Desenvolvimento, do Banco Mundial e de outras instituições.

Os recursos em questão, frisou Ilídio Vieira Té, estão a ser canalizados para a construção ou reabilitação de infraestruturas como estradas, escolas e hospitais.

“Tudo isso demonstra que os parceiros acreditam nas pessoas que estão a dirigir o país neste momento, o que é graças ao empenho do Presidente da República e do primeiro-ministro”, sublinhou Vieira Té.

O ministro das Finanças afirmou que em 2023 as reformas em curso irão continuar, prometeu melhorias na condição de vida da população, mas apelou a que haja mais “respeito pelas infraestruturas publicas”.

Ilídio Vieira Té deu os exemplos de postos de semáforos que estão a ser derrubados em Bissau por motoristas, “mal são colocados” e ainda tanques de lixo que disse estarem a ser roubados.

“Temos de ter amor ao nosso país. A Guiné-Bissau deve estar acima de tudo e de todos”, observou o ministro das Finanças.

MB // VM

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS