‘Offshore’ do Montepio Geral em Cabo Verde voltou aos prejuízos em 2020

O banco ‘offshore’ detido em Cabo Verde pelo grupo português Montepio Geral voltou aos prejuízos em 2020, de 620 mil euros, pela quarta vez em cinco anos, segundo dados da instituição consultados hoje pela Lusa.

'Offshore' do Montepio Geral em Cabo Verde voltou aos prejuízos em 2020

‘Offshore’ do Montepio Geral em Cabo Verde voltou aos prejuízos em 2020

O banco ‘offshore’ detido em Cabo Verde pelo grupo português Montepio Geral voltou aos prejuízos em 2020, de 620 mil euros, pela quarta vez em cinco anos, segundo dados da instituição consultados hoje pela Lusa.

De acordo com o relatório e contas do Banco Montepio Geral (MG) Cabo Verde, constituído no arquipélago em 2005 e detido a 100% pela Caixa Económica Montepio Geral – sendo um dos quatro que funciona com licença restrita, apenas para clientes não residentes e por isso considerados ‘offshore’ -, encerrou 2020 com um ativo total de 116,53 milhões de euros, menos 20,7% face a 2019.

Já os recursos de clientes, segundo o relatório e contas, fixaram-se no mesmo período em 108,46 milhões de euros, uma quebra homóloga de 21,6%.

Depois de prejuízos de 13.400 euros em 2016, de mais de 93 mil euros em 2017 e de 432 mil euros em 2018, a instituição apresentou resultados positivos de 146 mil euros em 2019, mas voltou aos prejuízos em 2020, de 620 mil euros.

Em 2015, o banco registou lucros de mais de 1,2 milhão de euros.

O desempenho de 2020 é explicado pela administração, no relatório e contas, com a necessidade de “reforço de imparidade para riscos de crédito” para com outros bancos, no valor de 860 mil euros. Sem esse “efeito negativo”, a administração garante que o banco teria apresentado um resultado positivo de 240 mil euros no ano passado.

Tal como todos os outros bancos que operam no arquipélago (além dos quatro de licença restrita, ainda sete de licença genérica), o MG Cabo Verde não distribuiu dividendos em 2019, como prevenção das consequências económicas da pandemia de covid-19. O banco já não tinha distribuído dividendos, igualmente, em 2016, 2017 e 2018 e fez transitar para as contas de 2021 os prejuízos do ano passado.

Em 2020, os capitais próprios do banco caíram 7,3%, para 7,87 milhões de euros, “influenciado pela evolução desfavorável do resultado líquido negativo do exercício”, segundo a administração.

O produto bancário do banco totalizou 720 mil euros, um aumento de 6,5% face a 2019.

O capital social do Banco MG Cabo Verde é atualmente de 8.996.508 euros, que pertence integralmente à Caixa Económica Montepio Geral, de Portugal.

PVJ // PJA

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS