Municípios assinalam 110 anos da Linha do Vouga insistindo na sua reabilitação

Municípios assinalam 110 anos da Linha do Vouga insistindo na sua reabilitação

Santa Maria da Feira acolhe na sexta-feira um programa de atividades que assinala os 110 anos da criação da Linha Férrea do Vale do Vouga, apelando à sua reabilitação no troço entre Oliveira de Azeméis e Espinho.

A iniciativa é promovida pela Associação de Municípios das Terras de Santa Maria (AMTSM), que, no próprio dia em que se cumpre o aniversário, leva ao centro de congressos Europarque várias intervenções por especialistas e também exposições de ferromodelismo e sobre a história dessa linha de comboio – que preserva um segundo troço ativo entre Águeda e Aveiro.

“É fundamental viabilizar o troço de Oliveira de Azeméis a Espinho, designadamente pela sua ligação e compatibilização com a Linha do Norte e consequente ligação direta ao Porto, mantendo a possibilidade da continuação do funcionamento da Linha do Vouga numa situação de melhor equilíbrio económico-financeiro”, defende Joaquim Santos Costa, secretário-geral da AMTSM.

Para o responsável, a sustentabilidade da Linha do Vouga também permitiria “potenciar dinâmicas regionais e nacionais”, considerando que nessa região sul da Área Metropolitana do Porto se fazem sentir “diversas carências ao nível das acessibilidades e transportes, com a consequente debilidade que essa situação acarreta na estruturação e consolidação dos aglomerados urbanos”.

O programa de atividades da próxima sexta-feira começa assim por prever uma componente mais institucional, em que os municípios da região se propõem reforçar junto de entidades como a Infraestruturas de Portugal e a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte o seu apelo à revitalização da linha de comboio, inaugurada a 23 de novembro de 1908.

Já o segmento mais lúdico das celebrações pretende, segundo Joaquim Santos Costa, “sensibilizar, a população em geral e a comunidade escolar em particular, para a necessidade cada vez maior da utilização do transporte coletivo em detrimento do transporte individual, com as consequentes vantagens que daí advêm”.

Para esse efeito, o programa inclui uma exposição de ferromodelismo pelo Grupo de Módulos de Comboios do Norte e uma mostra sobre a história da Linha do Vale do Vouga, em parceria com a Fundação do Museu Nacional Ferroviário e com a Associação Portuguesa dos Amigos do Caminho de Ferro.

Essa última entidade irá ainda promover no Europarque uma “Viagem de Vapor Vivo” em carruagens-miniatura cedidas e operadas pelos seus associados.

A AMTSM representa os concelhos de Arouca, Oliveira de Azeméis, Santa Maria da Feira, São João da Madeira, Vale de Cambra e também Espinho, que, apesar de só ter aderido à instituição em agosto de 2016, já antes colaborara com os restantes municípios em estudos sobre a viabilidade e modernização da Linha do Vouga.

AYC // JAP

By Impala News / Lusa

Siga a Impala no Instagram

Impala Instagram


RELACIONADOS

Municípios assinalam 110 anos da Linha do Vouga insistindo na sua reabilitação

Santa Maria da Feira acolhe na sexta-feira um programa de atividades que assinala os 110 anos da criação da Linha Férrea do Vale do Vouga, apelando à sua reabilitação no troço entre Oliveira de Azeméis e Espinho.