Má campanha de caju afetou receitas da Guiné-Bissau

Má campanha de caju afetou receitas da Guiné-Bissau

O primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Aristides Gomes, disse hoje que a campanha de caju não correu como esperado e que isso teve implicações nas receitas do Estado, que diminuíram.

“Tivemos a situação do caju que não correu muito bem porque o preço que o mercado pode oferecer revelou-se mais baixo em relação ao preço do mercado do ano passado, isto é que é o mercado, e isso tem implicações na nossa receita, que baixou”, afirmou Aristides Gomes.

O primeiro-ministro falava aos jornalistas depois de um encontro com a missão do Fundo Monetário Internacional que iniciou hoje a sexta avaliação ao Programa de Crédito Alargado à Guiné-Bissau.

O primeiro-ministro guineense, Aristides Gomes, afirmou recentemente que a campanha de caju deste ano na Guiné-Bissau está longe das expetativas e que o Estado já perdeu cerca de 21 milhões de euros este ano devido aos atrasos registados.

Em causa esteve o preço anunciado pelo Presidente em março na cerimónia de lançamento da campanha, onde o chefe de Estado pediu aos produtores para não venderem a castanha de caju a menos de 1000 francos cfa (1,5 euros), o que afastou exportadores e intermediários.

O Fundo Monetário Internacional, que tem alertado as autoridades guineenses para a necessidade de diversificar a economia, demasiado dependente daquele fruto, iniciou hoje uma visita de trabalho no âmbito da sexta avaliação ao Programa de Crédito Alargado, que foi prolongado por mais um ano, até 2019.

Durante a sua estada em Bissau, que termina a 02 de outubro, a missão do FMI vai reunir-se com as autoridades guineenses de vários setores, com o Banco Central dos Estados da África Ocidental, Tribunal de Contas, instituições bancárias, União Europeia, sociedade civil e com várias empresas a operar no país.

O FMI vai também reunir-se com responsáveis para analisar os “planos de investimento no setor energético, compensação das pescas e receitas relacionadas” e produção e exportação da castanha de caju.

Em junho, o conselho de administração do FMI aprovou a quinta tranche no âmbito do Programa de Crédito Alargado à Guiné-Bissau, que teve início em 2015, no valor de 4,3 milhões de dólares (cerca de 3,6 milhões de euros), totalizando 24,2 milhões de dólares (20,6 milhões de euros) de empréstimo.

O FMI aprovou também um pedido das autoridades guineenses para a extensão do programa por mais um ano até meados de 2019.

Segundo o FMI, o aumento do programa vai ajudar à estabilidade macroeconómica durante o período eleitoral e ajudar às necessidades da balança de pagamentos.

Com a extensão do programa, a Guiné-Bissau vai beneficiar de um empréstimo total de 32,2 milhões de dólares (27,4 milhões de euros).

MSE // PJA

By Impala News / Lusa

Siga a Impala no Instagram

Impala Instagram


RELACIONADOS

Má campanha de caju afetou receitas da Guiné-Bissau

O primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Aristides Gomes, disse hoje que a campanha de caju não correu como esperado e que isso teve implicações nas receitas do Estado, que diminuíram.