Japão quer ajudar no “crescimento da qualidade” em África

O primeiro-ministro japonês disse hoje em Tunes que o Japão quer ajudar ao “crescimento da qualidade” em África e anunciou “investimentos de 30 mil milhões de dólares (cerca de 30 mil milhões de euros)” ao longo de três anos.

Japão quer ajudar no

Japão quer ajudar no “crescimento da qualidade” em África

O primeiro-ministro japonês disse hoje em Tunes que o Japão quer ajudar ao “crescimento da qualidade” em África e anunciou “investimentos de 30 mil milhões de dólares (cerca de 30 mil milhões de euros)” ao longo de três anos.

O Japão dá “prioridade a uma abordagem que valoriza investimento humano e crescimento de qualidade”, declarou Fumio Kishida, num discurso na abertura dos trabalhos de dois dias da 8.ª Cimeira Ticad (Conferência Internacional de Tóquio sobre o Desenvolvimento Africano).

Esses fundos, “privados e públicos”, terão de ser dedicados à “promoção de uma economia verde” que beneficiará de um envelope de quatro mil milhões de dólares, disse Kishida, que interveio por videoconferência a partir de Tóquio em virtude de ter contraído covid-19.

“Para melhorar a vida dos africanos, também forneceremos até cinco mil milhões de dólares cofinanciados com o Banco Africano de Desenvolvimento” (BAD), acrescentou Kishida, incluindo mil milhões de dólares para “reestruturação da dívida”.

Na anterior edição do Ticad, em 2019, o ex-primeiro-ministro Shinzo Abe alertou África sobre o perigo de acumular dívidas “excessivas”, numa alusão à China.

Pequim aumentou constantemente a sua influência na região nos últimos anos por meio do seu ambicioso projeto de infraestrutura “Rotas da Seda”.

O Japão quer também ajudar o continente face às carências resultantes da guerra na Ucrânia, no valor de 300 milhões de dólares em cofinanciamento com o BAD, para “a produção de alimentos e a formação de 200.000 pessoas na agricultura”.

Vinte líderes africanos (chefes de Estado ou de Governo) estão presentes no Ticad, segundo fontes tunisinas, bem como 5.000 pessoas convidadas para um fórum de empresários e conferências paralelas.

Entre os chefes de Estado presentes está o Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embalo.

No seu discurso na abertura do evento, o Presidente da Tunísia e anfitrião da cimeira, Kais Saied, apelou à “procura em conjunto dos meios para que os africanos realizem os sonhos e esperanças da primeira geração após a independência”.

Said também elogiou o sucesso japonês que conseguiu “alcançar o desenvolvimento preservando a sua cultura e as suas tradições”.

O chefe de Estado senegalês Macky Sall, atual presidente da União Africana, prestou homenagem à “parceria de referência” com o Japão, saudando “resultados concretos na agricultura, saúde, educação, hidráulica”.

Desde a sua criação em 1993, as cimeiras do Ticad, coorganizadas com as Nações Unidas, o Banco Mundial e a União Africana, geraram 26 projetos de desenvolvimento em 20 países africanos.

Para Sall, as prioridades africanas são “a procura da soberania farmacêutica” com o aumento da produção (local) de vacinas e medicamentos e “soberania alimentar”.

África tem 60% de terras aráveis, recursos hídricos e mão-de-obra significativos, mas quer “investimentos para uma cooperação benéfica”, destacou.

O continente também gostaria de “uma realocação de direitos de saque especiais” do FMI, para ajudar a recuperar dos efeitos económicos resultantes da pandemia de covid-19 e da guerra na Ucrânia, argumentou Sall.

O presidente em exercício da União Africana adiantou que “África também pede a suspensão dos juros da dívida por parte do G20” e solicitou um lugar neste grupo das 20 principais economias “para garantir um melhor apoio aos interesses do continente”.

Segundo Sall, isso pode se concretizar “na próxima cimeira do G20 em Bali” em novembro.

Antes de se iniciar, a conferência sofreu um percalço diplomático com a saída da delegação marroquina e a retirada do embaixador em Tunes, em reação à chegada ao Ticad do líder da Frente Polisário e Presidente da República Árabe Saarauí Democrática (RASD), Brahim Ghali, que luta pela à independência do território do Saara Ocidental, ocupado por Marrocos.

Defendendo-se de ter abandonado a sua “neutralidade tradicional”, Tunes, por sua vez, chamou o seu embaixador em Marrocos, assegurando que a RASD foi convidada pela União Africana, organização de que é membro.

Macky Sall disse “lamentar a ausência de Marrocos por falta de consenso sobre uma questão de representação”, esperando que “este problema encontre uma solução”.

O Ticad é politicamente importante para o Presidente Kais Said, protagonista há um ano de um golpe palaciano através do qual assumiu todos os poderes, para além do ponto de vista económico, porque a Tunísia em crise espera atrair investidores para 80 projetos que podem criar 35.700 empregos.

EL // VM

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS