Indústria petrolífera precisa de investimentos de 12,2 biliões de euros até 2045

A OPEP calculou hoje que a indústria petrolífera mundial necessitará de investimentos de 12,1 biliões de dólares (12,2 biliões de euros) até 2045 para poder cobrir o aumento da procura e evitar uma crise de abastecimento.

Indústria petrolífera precisa de investimentos de 12,2  biliões de euros  até 2045

Indústria petrolífera precisa de investimentos de 12,2 biliões de euros até 2045

A OPEP calculou hoje que a indústria petrolífera mundial necessitará de investimentos de 12,1 biliões de dólares (12,2 biliões de euros) até 2045 para poder cobrir o aumento da procura e evitar uma crise de abastecimento.

Este é um dos pontos-chave salientados pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) no relatório anual sobre a evolução do mercado do petróleo bruto a médio e longo prazo, onde apela a “não demonizar” o financiamento desta fonte de energia fóssil.

O documento, intitulado “World Oil Outlook 2022” (WOO 2022) e apresentado hoje em Abu Dhabi, prevê que o consumo mundial de petróleo continuará a aumentar na década atual, antes de estagnar.

Até 2045, prevê uma média de 110 milhões de barris por dia, 10% superior ao nível actual.

Criticando as estratégias de mitigação das alterações climáticas que cada vez mais direcionam os fluxos financeiros para o desenvolvimento de energia limpa, a OPEP insta “a não demonizar” o financiamento do petróleo e do gás.

Os países produtores de combustível fóssil, incluindo os 13 parceiros da OPEP, são confrontados com uma “contradição”, diz a organização no seu relatório.

Por um lado, é-lhes pedido que “respondam às tensões do mercado internacional aumentando a produção de petróleo e gás” e, por outro lado, “há apelos para reduzir a utilização de petróleo e gás, e movimentos para desencorajar ativamente o investimento na indústria dos combustíveis fósseis”, explica.

O documento adverte que “os esforços para desencorajar a exploração e o desenvolvimento do petróleo são obrigados a semear as sementes de uma crise energética mais pronunciada”.

Como recurso não renovável, o petróleo requer investimentos constantes para compensar o declínio natural dos campos petrolíferos e para manter um certo nível de produção.

Dado que “a taxa média anual de declínio da indústria é de cerca de 5%”, apenas para manter a produção atual em cerca de 100 milhões de barris por dia, é necessário adicionar mais cinco milhões de barris por dia de produção por ano, sublinha.

Como a OPEP espera que a procura mundial de petróleo aumente para 110 milhões de barris por dia até 2045, “são necessários enormes investimentos”, sublinha o secretário-geral da organização, Kuwaiti Haitham Al Ghais, no jornal.

Já nos últimos anos, o subinvestimento no setor tornou-se “crónico” devido a vários fatores, tais como a crise da pandemia, que fez cair a procura e os “preços do petróleo” em 2020, e “políticas centradas no fim do financiamento de projetos de combustíveis fósseis”.

É a esta falta de investimento que se atribui o facto de a maioria dos países da OPEP não ter conseguido recuperar os níveis de bombeamento pré-pandemia.

O relatório da OPEP argumenta que existe também uma restrição “do lado da oferta” a ter em conta.

“A produção de petróleo de xisto dos EUA deverá atingir o pico por volta de 2030″ e, com isso, os fornecimentos não-OPEP também atingirão o pico”, diz o relatório.

Isto, aos olhos dos produtores, é um aviso de que “um ambiente em que o investimento contínuo a longo prazo (na indústria petrolífera) é reconhecido como vital e necessário, e não desnecessariamente demonizado como tem sido visto nos últimos anos”.

MC // EA

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS