Hidroelétrica moçambicana de Cahora Bassa elege novo conselho de administração

A Hidroelétrica de Cahora Bassa (HCB), um dos principais empreendimentos económicos de Moçambique, elegeu um novo conselho de administração para os próximos três anos, faltando ainda escolher o presidente, foi hoje anunciado.

Hidroelétrica moçambicana de Cahora Bassa elege novo conselho de administração

Hidroelétrica moçambicana de Cahora Bassa elege novo conselho de administração

A Hidroelétrica de Cahora Bassa (HCB), um dos principais empreendimentos económicos de Moçambique, elegeu um novo conselho de administração para os próximos três anos, faltando ainda escolher o presidente, foi hoje anunciado.

O novo conselho de administração foi empossado na terça-feira e é constituído por quatro administradores executivos e dois administradores não executivos.

Integram a nova equipa os administradores executivos Moisés Machava, Abraão dos Santos Rafael, Rui Manuel Alfredo da Rocha e Nilton Sérgio Rebelo Trindade.

Os administradores não executivos são Manuel Tomé, antigo secretário-geral da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), partido no poder, e João Faria Conceição.

A nova equipa tem menos dois administradores que a cessante, que era composta por oito membros.

Fonte da HCB disse à Lusa que o Governo vai indicar nos próximos dias o novo presidente da companhia, não se sabendo se o atual, Pedro Couto, será ou não reconduzido.

Antes de ser nomeado presidente da HCB em 2016, Pedro Couto era ministro dos Recursos Minerais e Energia.

A nota revela que foram ainda eleitos quatro membros da mesa da assembleia-geral e três membros do conselho fiscal.

A barragem de Cahora Bassa foi construída ainda no período colonial e era detida pelo Estado português até à sua entrega ao Estado moçambicano em 2007, no âmbito de um acordo de reversão da estrutura acionista do empreendimento

A HCB, que gere a barragem com o mesmo nome na província de Tete, no centro de Moçambique, é a maior fonte de eletricidade do país.

O Estado moçambicano detém 85% das ações da HCB, 7,5% pertencem à Redes Energéticas Nacionais (REN), empresa de transporte de energia de Portugal, e outros 7,5% a vários investidores que adquiriram as participações numa oferta pública de venda (OPV) em 2018.

PMA // LFS

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS