Governo reitera que AT “está a fazer o seu trabalho” na venda das barragens pela EDP

O ministro do Ambiente reiterou que a Autoridade Tributária “está a fazer o seu trabalho” na questão do Imposto do Selo de 110 milhões que a EDP não pagou pelas seis barragens no Douro.

Governo reitera que AT

Governo reitera que AT “está a fazer o seu trabalho” na venda das barragens pela EDP

O ministro do Ambiente reiterou que a Autoridade Tributária “está a fazer o seu trabalho” na questão do Imposto do Selo de 110 milhões que a EDP não pagou pelas seis barragens no Douro.

Lisboa, 11 mai 2021 (Lusa) — O ministro do Ambiente reiterou hoje que a Autoridade Tributária (AT) “está a fazer o seu trabalho” na questão do Imposto do Selo de 110 milhões que a EDP não pagou pelo trespasse da concessão de seis barragens no Douro.

“A Autoridade Tributária está a fazer o seu trabalho. […] É absolutamente notável que o senhor esteja à espera que um ministro, o do Ambiente, venha aqui dizer que é preciso pagar impostos”, respondeu João Pedro Matos Fernandes ao deputado Nelson Peralta, do Bloco de Esquerda (BE).

Em causa está o trespasse da concessão de seis barragens no Douro a um consórcio liderado pela Engie e o facto de a EDP não ter pagado o Imposto do Selo no valor de 110 milhões.

Matos Fernandes, que já foi anteriormente chamado ao parlamento para prestar esclarecimentos pelo assunto, falou hoje em “politização” da Autoridade Tributária e Aduaneira e acusou o BE de utilizar “um território” para fazer ataques políticos.

A EDP considerou, em abril, que a venda da concessão das barragens ao consórcio da Engie não beneficiou de isenção do Imposto do Selo prevista na lei desde 2020 porque a forma como a operação decorreu não está sujeita ao imposto.

“A operação não está sujeita ao Imposto do Selo [IS] por não enquadrar na previsão normativa da verba 27.2 da TGIS [Tabela Geral do Imposto do Selo]”, referiu a EDP, apontando que, “não havendo incidência, não se aplicarão as normas de isenção”.

O entendimento da empresa presidida por Miguel Stilwell d’Andrade consta das respostas da EDP às 17 questões do Bloco de Esquerda e de outras consensualizadas pela comissão parlamentar de Ambiente, num total de 21, sobre o negócio da venda da concessão de seis barragens no Douro.

A diretora-geral da AT, Helena Borges, afirmou, em 14 de abril, perante os deputados da Comissão do Orçamento e Finanças, que, independentemente da discussão pública, a AT teria sempre analisado a operação de venda de barragens pela EDP à Engie.

Em resposta ao deputado do PS João Paulo Correia, Helena Borges referiu que “sim, a Autoridade Tributária e Aduaneira está a tratar deste tema nas etapas que são próprias” e que “sim”, teria “sempre tratado esta operação independente da sua discussão pública”.

Em 13 de novembro de 2020, foi anunciado que a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) tinha aprovado a venda de barragens da EDP (Miranda, Bemposta, Picote, Baixo Sabor e Foz-Tua) à Engie.

A EDP concluiu, em 17 de dezembro, a venda por 2,2 mil milhões de euros de seis barragens na bacia hidrográfica do Douro a um consórcio de investidores formados pela Engie, Crédit Agricole Assurances e Mirova.

O BE tem defendido que, à luz deste negócio, deviam ter sido pagos 110 milhões de euros em Imposto do Selo, o que é contestado pela EDP.

O ministro de Estado e das Finanças, João Leão, também ouvido pelos deputados, em março, afirmou que “o tempo de intervenção em matéria fiscal do lado do Estado começa agora”, e reiterou que a AT tem “total autonomia” para atuar, sublinhando que “o Governo não interfere na atividade inspetiva da AT”.

MPE (LT) // EA

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS