Governo moçambicano está a analisar validade das dívidas aos fornecedores - PM

Governo moçambicano está a analisar validade das dívidas aos fornecedores – PM

O primeiro-ministro de Moçambique, Carlos Agostinho do Rosário, disse hoje em Maputo que o Governo está a verificar a validade das dívidas do Estado aos fornecedores de bens e serviços, para depois proceder à sua liquidação.

“Estamos na fase de interação [com os fornecedores de bens e serviços], o que poderá culminar com o processo do pagamento da dívida em função da validação e conformidade da mesma”, afirmou Carlos Agostinho do Rosário, falando na Assembleia da República.

O processo vai abranger a liquidação das dívidas do Estado do período entre 2007 e 2017, acrescentou Rosário.

“O pagamento das dívidas do Estado aos fornecedores de bens e serviços irá contribuir para a contínua dinamização da economia, particularmente das pequenas e médias empresas”, assinalou o primeiro-ministro.

O Governo moçambicano, prosseguiu, decidiu iniciar o processo de liquidação dos encargos que tem para com o setor privado, como resultado da melhoria da gestão das contas públicas, no âmbito do esforço de consolidação fiscal.

A eficiência fiscal resultou na redução da despesa pública de 33,9% do Produto Interno Bruto em 2016 (PIB) para 30,5% do PIB em 2017.

O primeiro-ministro de Moçambique destacou que a libertação de mais recursos para o setor privado vai impulsionar a economia do país numa altura em que regista tendência de recuperação da crise que se registou no último ano.

Carlos Agostinho de Rosário anunciara em março que o Governo tem atualmente 2,7 mil milhões de meticais (37 milhões de euros) para liquidar 17% da dívida do Estado ao setor privado.

PMA // VM

By Impala News / Lusa

Siga a Impala no Instagram

Impala Instagram


RELACIONADOS

Governo moçambicano está a analisar validade das dívidas aos fornecedores – PM

O primeiro-ministro de Moçambique, Carlos Agostinho do Rosário, disse hoje em Maputo que o Governo está a verificar a validade das dívidas do Estado aos fornecedores de bens e serviços, para depois proceder à sua liquidação.