Governo alemão revê em baixa crescimento para 1,8% este ano e no próximo

Governo alemão revê em baixa crescimento para 1,8% este ano e no próximo

O governo alemão reviu hoje em baixa para 1,8% a previsão do crescimento anual da economia este ano e no próximo, uma redução em 0,5 pontos percentuais e de 0,3 pontos, respetivamente, face às anteriores projeções.

A revisão em baixa do crescimento anual do Produto Interno Bruto (PIB) em 2018 e 2019 é justificada pelo executivo alemão com o aumento das tensões comerciais e com o crescente protecionismo.

O ministro da Economia e Energia, Peter Altmaier, explicou que “as incertezas sobre o crescimento são o resultado das tendências protecionistas e dos conflitos comerciais internacionais”, advertindo que “abrangem todos os países envolvidos”.

O governante referiu ainda que, segundo as organizações internacionais, “é provável que a economia mundial perca algum impulso” nos dois anos, o que terá um reflexo moderado nas exportações alemães, ao passo que as importações irão crescer devido “à forte procura interna”.

As novas previsões do Governo alemão preveem um aumento do consumo interno de 1,6% em 2018 e de 2% em 2019.

Já a despesa pública crescerá 1,4% e 2,5%, respetivamente, enquanto a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) registará um acréscimo de 3% este ano e de 2,7% no ano seguinte.

Quanto ao comércio externo, as exportações alemãs deverão crescer 2,8% este ano e 3,7% em 2019, ao passo que as importações deverão aumentar 2019 cerca de 3,6% e 4,9%, pela mesma ordem.

No recente relatório sobre as “Perspetivas Económicas Mundiais”, o Fundo Monetário Internacional (FMI) baixou a previsão do crescimento anual da economia germânica para 1,9% este ano e no próximo, respetivamente, o que representou um corte de três décimas em 2018 e duas décimas em 2019.

JS // JNM

By Impala News / Lusa


RELACIONADOS

Governo alemão revê em baixa crescimento para 1,8% este ano e no próximo

O governo alemão reviu hoje em baixa para 1,8% a previsão do crescimento anual da economia este ano e no próximo, uma redução em 0,5 pontos percentuais e de 0,3 pontos, respetivamente, face às anteriores projeções.